Antes de morrer, Olavo de Carvalho previu a derrota de Bolsonaro

"O ultradireitista ainda voltou a negar que seja “guru” de Bolsonaro e disse que foi usado pelo presidente. "Eu conversei com ele quatro vezes na minha vida e eu duvido que ele tenha lido um livro meu inteiro. Se ele tivesse lido, muita coisa que ele fez não teria feito", declarou o astrólogo Olavo de Carvalho.

Antes de morrer, Olavo de Carvalho previu a derrota de Bolsonaro

“O ultradireitista ainda voltou a negar que seja “guru” de Bolsonaro e disse que foi usado pelo presidente. “Eu conversei com ele quatro vezes na minha vida e eu duvido que ele tenha lido um livro meu inteiro. Se ele tivesse lido, muita coisa que ele fez não teria feito”, declarou o astrólogo Olavo de Carvalho, pouco antes de morrer.

Por Redação – de Brasília

Pouco antes do Natal, em uma de suas últimas aparições públicas, o astrólogo Olavo de Carvalho, guru do bolsonarismo, criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL) durante participação em uma transmissão ao vivo chamada ConservaTalk. Na ocasião, ele admitiu que “a briga já está perdida”, em referência às eleições de 2022.

Olavo de Carvalho, morador no Estado da Virgínia, EUA, defende a disseminação de armas
Olavo de Carvalho, morador no Estado da Virgínia, EUA, defendia a disseminação de armas

— Não venham com esperanças tolas. A briga já está perdida. Existe chance de voltar [a vencer]? Existe uma chance remota, se o Bolsonaro acordar. Eu não sei como fazer o Bolsonaro acordar — previu Carvalho.

O ultradireitista ainda voltou a negar que seja “guru” de Bolsonaro e disse que foi usado pelo presidente.

— Eu conversei com ele quatro vezes na minha vida e eu duvido que ele tenha lido um livro meu inteiro. Se ele tivesse lido, muita coisa que ele fez não teria feito — declarou, em uma de suas tantas declarações nefastas, principalmente contra a cultura brasileira. Olavo de Carvalho morreu devendo 2,9 milhões para Caetano Veloso

Frasista de efeito, Carvalho disseminou notícias falsas e teses conspiratórias, deixando um acervo de inutilidades:

“O medo de um suposto vírus mortífero não passa de historinha de terror para acovardar a população e fazê-la aceitar a escravidão como um presente de Papai Noel”, escreveu em maio do ano passado.

“Só um perfeito idiota pode imaginar que a disseminação do  vírus chinês no mundo foi um acidente. Mas o Ocidente está repleto de perfeitos idiotas, diante dos quais os chineses têm um justificado senso de superioridade”, em outubro de 2020.

Refrigerantes

“Cigarro não faz mal, isto tudo é uma empulhação da Indústria Farmacêutica que vendem remédios que matam a população”, em agosto de 2019.

“China: um governo que não consegue sequer resolver os problemas de higiene do seu próprio povo quer mandar no mundo”, em novembro de 2019.

“ A distribuição de kits gays continua em alta no Brasil”, em 2018, após a campanha eleitoral, na qual foi mentor de Bolsonaro.

“Para mim essa questão de terra plana é como qualquer outra: ninguém tem certeza de porra nenhuma. As pessoas sensatas se divertem com a investigação, os neuróticos se ofendem com a pergunta”, em julho de 2018.

“Estão usando células de fetos abortados como adoçante nos refrigerantes, na Pepsi”, em janeiro de 2017.