Com dois anos, influencer indígena do AM faz sucesso nas redes sociais

Manacapuru (AM) - Os conhecimentos, ritos, e costumes indígenas são passados por gerações e, desde muito pequenas, as crianças indígenas começam a aprender e vivenciar os hábitos de sua tribo. Nas redes sociais, a pequena Yandra Mawe, de dois anos, mostra como é crescer em uma comunidade indígena, descobrindo o mundo e os costumes de sua aldeia. Destaque #1Natural do município de Manacapuru (distante 98 quilômetros de Manaus), Yandra pertence a dois povos indígenas, o Sateré-Mawé, por parte de mãe, e o povo Tikuna, pelo pai. O seu nome significa igualdade, em língua indígena norte-americana. Em Sateré, ela se chama Wereve, que quer dizer “baratinha d’água”, nomeada devido à sua forma morena. Já no povo Tikuna, ela se chama Yeena, significa “eco do rugido da onça”. Denominada uma indígena “fofa”, nas redes sociais Yandra já tem mais de 5 mil seguidores. A rede social @yandramawe foi criada em 2019 por sua mãe, Zelinda Araújo, 26 anos, que procurava formas de compartilhar e manter as fotos de Yandra salvas em algum local. Zelinda trabalha com grafismo, pintura corporal, artesanato e auxilia na escola indígena da aldeia que vivem. Yandra Mawea (1).jpg “Futuramente, pretendo entregar a rede na mão dela, quando ela estiver mais instruída, sabendo usar. Ela vai poder saber como foi a infância dela, se ver crescendo nos registros”, destaca a mãe de Yandra. Destaque #2Yandra mora na aldeia Saruapé, no quilômetro 37, no município de Iranduba, próximo a uma comunidade não indígena, de “pessoas brancas” e ribeirinhos, com culturas diferentes. Conforme explica Zelinda, para manter viva suas origens, as crianças da comunidade praticam diariamente os rituais e os costumes de seus povos. “Assim que entramos em contato com outras pessoas, a gente passa a praticar a cultura do próximo, por isso praticamos nossa cultura no dia a dia, para não deixar ela se perder.”Exposição na internet Influenciadora digital indigena (1).jpg O conteúdo da pequena indígena aborda a sua cultura, as comidas, as pinturas corporais, e a proximidade com a natureza, além de fotos e vídeos mostrando a vida de uma criança como qualquer outra. Citação #1Autor: Zelinda AraújoTítulo do Autor: mãe de Yandra.Citação: O principal objetivo do conteúdo que divulgamos na internet sobre a Yandra é fazer com que as pessoas vejam um pouco da nossa cultura, que elas percebam que não é uma coisa de outro mundo. Mas, eu tento passar sempre que a Yandra é uma criança como qualquer outra, com curiosidades e descobertas Muito elogiada, Yandra recebe comentários positivos sendo admirada pelos seus seguidores, que se encantam por ela e seu jeito “fofo”. Citação #4Autor: ZelindaTítulo do Autor: mãe da pequena indígena.Citação: Na internet, as pessoas a tratam de maneira totalmente confiante, de forma positiva. Elas participam bastante, mandam muitos comentários com vários elogios diariamente. Além de gostarem de ver o crescimento dela, ainda gostam de ver o que ela mostra da cultura indígena nas redes sociais Novas descobertasConforme explica a mãe de Yandra, a criança é brincalhona, gosta de brincar com boneca, de fazer “comidinha”, além de ser criativa. Zelinda garante que seus familiares ainda estão descobrindo mais sobre ela todos os dias. Influenciadora digital indigena (2).jpg “Atualmente, nós descobrimos que ela é médium, que é uma coisa que passa de geração para geração. Não são todas as pessoas que têm o dom, de espiritualidade, de fazer pajelança, de rezar, de puxar. A Yandra nasceu com esse dom, então mais uma curiosidade sobre ela que vamos trabalhar ao longo do crescimento dela para ela poder fazer o bem”, explica. Citação #3Autor: ZelindaTítulo do Autor: mãe e YandraCitação: O objetivo é formação da mentalidade da Yandra, que seja uma mente forte. Que saiba a cultura dela, que tenha orgulho do que tem, do que tem a oferecer, sem menosprezar a cultura do homem branco, do homem negro, qual seja o povo. Só temos que respeitar Indígenas na internetAs redes sociais tornaram-se essenciais para o fortalecimento da cultura dos povos indígenas, além de ser um canal onde as pessoas podem compreender e tiras dúvidas sobre formas de viver no mundo, diferentes as que estão habituadas.Zelinda também explica que a chegada de Yandra na internet é uma forma de mostrar que o crescimento de uma menina indígena não é nada incomum. Além disso, ela diz que não se deve considerar que os povos originários são iguais, sem particularidades. Citação #2Autor: ZelindaTítulo do Autor: mãe e Yandra e indígena TikunaCitação: Muitas vezes, as pessoas pensam que os indígenas têm que ter uma cultura, agir de uma determinada maneira, mas, na internet, a gente tenta passar um conteúdo que mostre que somos indígenas, que vivemos nossa cultura. A gente ama nossos rituais e nossos grafismos, passados entre gerações. Mas, não é porque somos indígenas que a gente não pode se adaptar ao atual, ao que estamos vivendo, ao que nos rodeia. Tento mostrar a adaptação que a Yandra tem com tudo que não é in

Com dois anos, influencer indígena do AM faz sucesso nas redes sociais
Manacapuru (AM) - Os conhecimentos, ritos, e costumes indígenas são passados por gerações e, desde muito pequenas, as crianças indígenas começam a aprender e vivenciar os hábitos de sua tribo. Nas redes sociais, a pequena Yandra Mawe, de dois anos, mostra como é crescer em uma comunidade indígena, descobrindo o mundo e os costumes de sua aldeia. Destaque #1Natural do município de Manacapuru (distante 98 quilômetros de Manaus), Yandra pertence a dois povos indígenas, o Sateré-Mawé, por parte de mãe, e o povo Tikuna, pelo pai. O seu nome significa igualdade, em língua indígena norte-americana. Em Sateré, ela se chama Wereve, que quer dizer “baratinha d’água”, nomeada devido à sua forma morena. Já no povo Tikuna, ela se chama Yeena, significa “eco do rugido da onça”. Denominada uma indígena “fofa”, nas redes sociais Yandra já tem mais de 5 mil seguidores. A rede social @yandramawe foi criada em 2019 por sua mãe, Zelinda Araújo, 26 anos, que procurava formas de compartilhar e manter as fotos de Yandra salvas em algum local. Zelinda trabalha com grafismo, pintura corporal, artesanato e auxilia na escola indígena da aldeia que vivem. Yandra Mawea (1).jpg “Futuramente, pretendo entregar a rede na mão dela, quando ela estiver mais instruída, sabendo usar. Ela vai poder saber como foi a infância dela, se ver crescendo nos registros”, destaca a mãe de Yandra. Destaque #2Yandra mora na aldeia Saruapé, no quilômetro 37, no município de Iranduba, próximo a uma comunidade não indígena, de “pessoas brancas” e ribeirinhos, com culturas diferentes. Conforme explica Zelinda, para manter viva suas origens, as crianças da comunidade praticam diariamente os rituais e os costumes de seus povos. “Assim que entramos em contato com outras pessoas, a gente passa a praticar a cultura do próximo, por isso praticamos nossa cultura no dia a dia, para não deixar ela se perder.”Exposição na internet Influenciadora digital indigena (1).jpg O conteúdo da pequena indígena aborda a sua cultura, as comidas, as pinturas corporais, e a proximidade com a natureza, além de fotos e vídeos mostrando a vida de uma criança como qualquer outra. Citação #1Autor: Zelinda AraújoTítulo do Autor: mãe de Yandra.Citação: O principal objetivo do conteúdo que divulgamos na internet sobre a Yandra é fazer com que as pessoas vejam um pouco da nossa cultura, que elas percebam que não é uma coisa de outro mundo. Mas, eu tento passar sempre que a Yandra é uma criança como qualquer outra, com curiosidades e descobertas Muito elogiada, Yandra recebe comentários positivos sendo admirada pelos seus seguidores, que se encantam por ela e seu jeito “fofo”. Citação #4Autor: ZelindaTítulo do Autor: mãe da pequena indígena.Citação: Na internet, as pessoas a tratam de maneira totalmente confiante, de forma positiva. Elas participam bastante, mandam muitos comentários com vários elogios diariamente. Além de gostarem de ver o crescimento dela, ainda gostam de ver o que ela mostra da cultura indígena nas redes sociais Novas descobertasConforme explica a mãe de Yandra, a criança é brincalhona, gosta de brincar com boneca, de fazer “comidinha”, além de ser criativa. Zelinda garante que seus familiares ainda estão descobrindo mais sobre ela todos os dias. Influenciadora digital indigena (2).jpg “Atualmente, nós descobrimos que ela é médium, que é uma coisa que passa de geração para geração. Não são todas as pessoas que têm o dom, de espiritualidade, de fazer pajelança, de rezar, de puxar. A Yandra nasceu com esse dom, então mais uma curiosidade sobre ela que vamos trabalhar ao longo do crescimento dela para ela poder fazer o bem”, explica. Citação #3Autor: ZelindaTítulo do Autor: mãe e YandraCitação: O objetivo é formação da mentalidade da Yandra, que seja uma mente forte. Que saiba a cultura dela, que tenha orgulho do que tem, do que tem a oferecer, sem menosprezar a cultura do homem branco, do homem negro, qual seja o povo. Só temos que respeitar Indígenas na internetAs redes sociais tornaram-se essenciais para o fortalecimento da cultura dos povos indígenas, além de ser um canal onde as pessoas podem compreender e tiras dúvidas sobre formas de viver no mundo, diferentes as que estão habituadas.Zelinda também explica que a chegada de Yandra na internet é uma forma de mostrar que o crescimento de uma menina indígena não é nada incomum. Além disso, ela diz que não se deve considerar que os povos originários são iguais, sem particularidades. Citação #2Autor: ZelindaTítulo do Autor: mãe e Yandra e indígena TikunaCitação: Muitas vezes, as pessoas pensam que os indígenas têm que ter uma cultura, agir de uma determinada maneira, mas, na internet, a gente tenta passar um conteúdo que mostre que somos indígenas, que vivemos nossa cultura. A gente ama nossos rituais e nossos grafismos, passados entre gerações. Mas, não é porque somos indígenas que a gente não pode se adaptar ao atual, ao que estamos vivendo, ao que nos rodeia. Tento mostrar a adaptação que a Yandra tem com tudo que não é indígena, mas sem esquecer ou sem dar valor do que ela tem dos povos dela “Na história, somente outras pessoas falavam por nós, como se fôssemos apenas um objeto de estudo, como se não pudéssemos falar ou escrever por nós mesmo. Muitos indígenas podem não ter o dom da escrita, mas da fala nós temos, mesmo com dificuldade, podemos nos comunicar. A internet vem facilitar o modo de falamos. Agora, por nós mesmos, explicamos, exibimos e mostramos o que vivemos, não é outra pessoa falando por nós”, finaliza.Boneca Yandra Influenciadora digital indigena (1).jpeg Com apenas dois anos, Yandra Mawe já tem uma boneca inspirada nela. Feita a mão pela sua tia, We’e’na Tikuna, artesã e digital influencer, a boneca indígena com grafismo Tikuna visa divertir e educar crianças sobre a cultura indígena. A venda da boneca ocorre de forma virtual, confira AQUI.  Uma parcela da venda das bonecas ainda é revertida para a família e para a criação de Yandra.Leia maisEm Manacapuru, indígenas abrem campanha para arrecadar brinquedosArtista de Parintins produz obras de arte com entalhe de madeira no AMIrmãs indígenas conquistam ouro na Copa Manacapuru de Jiu-jitsu