Funcionários da Funai e índios fazem protesto em Governador Valadares

Manifestantes cobraram apuração rigorosa e punição para os assassinatos do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips. Além disso, eles cobraram melhores condições de trabalho. Protesto servidores da Funai e índios Alan Souza/Inter TV dos Vales Funcionários da Funai - Fundação Nacional do Índio, protestaram na tarde desta quinta-feira (23), em Governador Valadares. Índios de várias tribos da região participaram do evento. A concentração foi na praça dos Pioneiros, no Centro da cidade. Os manifestantes cobraram uma apuração rigorosa e punição para os assassinatos do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips. Os dois foram mortos enquanto transitavam na chamada área do Vale do Javari, segunda maior terra indígena do Brasil. Além disso, eles também denunciaram más condições de trabalho na luta pelos direitos dos índios. A indigenista Danielle Moreira Brasileiro trabalha há dez anos na Funai; ela trabalhou com o indigenista Bruno Araújo Pereira. Contou que o colega era um exemplo para o trabalhadores da Funai. "O Bruno é um ícone dentro do indigenismo, porque ele tentando trabalhar dentro da Funai não teve espaço, porque ele era contra a exploração de terras indígenas, garimpo ilegal, pesca predatória, ele se licenciou e continuou sendo servidor publico federal. E a gente tá aqui nessa luta para que a gente tenha condições se executar a politica indigenista de estado", afirmou Danielle. Protesto em Governador Valadares Alan Souza/Inter TV dos Vales A diretora do Sindicato dos Trabalhadores Ativos Aposentados e Pensionistas do Serviço Público Federal no Estado de Minas Gerais (SINDSEP-MG), Sânia Barcelos Reis, comentou que a morte do jornalista e do indigenista representam extinção de direitos dos trabalhadores e índios, "essas mortes representam o desmonte do serviço público, o não reconhecimento do direito dos indígenas, dos povos indígenas, da demarcação das terras indígenas. Para nós que trabalhamos no serviço público, são mortes tristes e dolorosas, nós temos que manter a honra desses colegas, nós vamos lutar por justiça, por eles", disse. O protesto aconteceu em várias cidades do país. VÍDEOS: veja tudo sobre o Leste e Nordeste de MG Veja mais notícias da região em g1 Vales de Minas Gerais.

Funcionários da Funai e índios fazem protesto em Governador Valadares

Manifestantes cobraram apuração rigorosa e punição para os assassinatos do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips. Além disso, eles cobraram melhores condições de trabalho. Protesto servidores da Funai e índios Alan Souza/Inter TV dos Vales Funcionários da Funai - Fundação Nacional do Índio, protestaram na tarde desta quinta-feira (23), em Governador Valadares. Índios de várias tribos da região participaram do evento. A concentração foi na praça dos Pioneiros, no Centro da cidade. Os manifestantes cobraram uma apuração rigorosa e punição para os assassinatos do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips. Os dois foram mortos enquanto transitavam na chamada área do Vale do Javari, segunda maior terra indígena do Brasil. Além disso, eles também denunciaram más condições de trabalho na luta pelos direitos dos índios. A indigenista Danielle Moreira Brasileiro trabalha há dez anos na Funai; ela trabalhou com o indigenista Bruno Araújo Pereira. Contou que o colega era um exemplo para o trabalhadores da Funai. "O Bruno é um ícone dentro do indigenismo, porque ele tentando trabalhar dentro da Funai não teve espaço, porque ele era contra a exploração de terras indígenas, garimpo ilegal, pesca predatória, ele se licenciou e continuou sendo servidor publico federal. E a gente tá aqui nessa luta para que a gente tenha condições se executar a politica indigenista de estado", afirmou Danielle. Protesto em Governador Valadares Alan Souza/Inter TV dos Vales A diretora do Sindicato dos Trabalhadores Ativos Aposentados e Pensionistas do Serviço Público Federal no Estado de Minas Gerais (SINDSEP-MG), Sânia Barcelos Reis, comentou que a morte do jornalista e do indigenista representam extinção de direitos dos trabalhadores e índios, "essas mortes representam o desmonte do serviço público, o não reconhecimento do direito dos indígenas, dos povos indígenas, da demarcação das terras indígenas. Para nós que trabalhamos no serviço público, são mortes tristes e dolorosas, nós temos que manter a honra desses colegas, nós vamos lutar por justiça, por eles", disse. O protesto aconteceu em várias cidades do país. VÍDEOS: veja tudo sobre o Leste e Nordeste de MG Veja mais notícias da região em g1 Vales de Minas Gerais.