Justiça concede alvará de soltura para gari baleado em operação policial

O juiz da 11ª Vara Criminal da Capital, Antônio José Bittencourt, assinou o alvará de soltura, nesta sexta-feira (28), que dá permissão para que o gari Walquiades Santos da Silva, 26 anos, retorne para casa após receber alta médica do Hospital Geral do Estado (HGE), onde se recupera de cirurgia. Ele foi baleado no intestino durante a suposta ação ilegal praticada por uma equipe de militares, na Vila Emater. Walquiades, que alega que foi confundido com um traficante, está internado há 15 dias no hospital e deve ser liberado da unidade ainda hoje. Com a decisão do juiz, ele não irá mais para o presídio. De acordo com o advogado de defesa, Gualter Baltazar, o episódio traumatizou a família do gari de tal forma que, por insegurança, foi decidido que ele será levado para outra residência. "A família não se sente segura. Ele retornará para outra casa, não no local onde ele mora. Porque nesses 15 dias houve algumas ameaças contra a família, houve ameaça contra irmãos. Eles não se sentem seguros. Duas irmãs dele foram ameaçadas. Algumas pessoas da comunidade foram ameaçadas para não depor. Eles compareceram na Corregedoria da PM, onde foram bem atendidos e foi recebida a denúncia. Eles não se sentem seguros, tanto que vão retornar para outro local, será informado à Justiça", afirmou em entrevista para o programa Fique Alerta, da TV Pajuçara. O advogado afirmou, também, que apesar do alvará de soltura ter sido concedido hoje, ainda existem procedimentos a serem realizados. ""Primeiro temos que agradecer que é uma vitória das instituições democráticas. É uma vitória da Justiça. Uma vitória de que todas as instituições funcionam perfeitamente. O caso dele foi analisado pelo excelentíssimo juiz da 11ª Vara, doutor José Antônio Bittencourt, que entendeu nosso pleito. A Promotoria de Justiça também compreendeu a gravidade da acusação. Então, o processo retorna para investigação e foi concedido hoje alvará de soltura. Ainda tem alguns procedimentos a serem realizados. A algema dele já foi retirada, ele estava algemado na cama do HGE. Está vindo o pessoal da casa de custódia para providenciar a soltura e fazer inicialmente o exame de corpo de delito para entregá-lo à família", concluiu. Confira na íntegra a decisão publicada hoje no Diário de Justiça Eletrônico: Assista a entrevista completa no vídeo abaixo:

Justiça concede alvará de soltura para gari baleado em operação policial

O juiz da 11ª Vara Criminal da Capital, Antônio José Bittencourt, assinou o alvará de soltura, nesta sexta-feira (28), que dá permissão para que o gari Walquiades Santos da Silva, 26 anos, retorne para casa após receber alta médica do Hospital Geral do Estado (HGE), onde se recupera de cirurgia. Ele foi baleado no intestino durante a suposta ação ilegal praticada por uma equipe de militares, na Vila Emater.

Walquiades, que alega que foi confundido com um traficante, está internado há 15 dias no hospital e deve ser liberado da unidade ainda hoje. Com a decisão do juiz, ele não irá mais para o presídio. De acordo com o advogado de defesa, Gualter Baltazar, o episódio traumatizou a família do gari de tal forma que, por insegurança, foi decidido que ele será levado para outra residência.

"A família não se sente segura. Ele retornará para outra casa, não no local onde ele mora. Porque nesses 15 dias houve algumas ameaças contra a família, houve ameaça contra irmãos. Eles não se sentem seguros. Duas irmãs dele foram ameaçadas. Algumas pessoas da comunidade foram ameaçadas para não depor. Eles compareceram na Corregedoria da PM, onde foram bem atendidos e foi recebida a denúncia. Eles não se sentem seguros, tanto que vão retornar para outro local, será informado à Justiça", afirmou em entrevista para o programa Fique Alerta, da TV Pajuçara.

O advogado afirmou, também, que apesar do alvará de soltura ter sido concedido hoje, ainda existem procedimentos a serem realizados. ""Primeiro temos que agradecer que é uma vitória das instituições democráticas. É uma vitória da Justiça. Uma vitória de que todas as instituições funcionam perfeitamente. O caso dele foi analisado pelo excelentíssimo juiz da 11ª Vara, doutor José Antônio Bittencourt, que entendeu nosso pleito. A Promotoria de Justiça também compreendeu a gravidade da acusação. Então, o processo retorna para investigação e foi concedido hoje alvará de soltura. Ainda tem alguns procedimentos a serem realizados. A algema dele já foi retirada, ele estava algemado na cama do HGE. Está vindo o pessoal da casa de custódia para providenciar a soltura e fazer inicialmente o exame de corpo de delito para entregá-lo à família", concluiu.

Confira na íntegra a decisão publicada hoje no Diário de Justiça Eletrônico:

Assista a entrevista completa no vídeo abaixo: