Bolsonaro diz que veto a socorro aos Estados atenderá 100% a Guedes

12 Mai 2020

Vetos devem ser publicados até quarta-feira

Adriano Machado/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (11) que irá atender em "100%" a demanda do ministro da Economia,

Paulo Guedes, e manterá a proposta de congelamento salarial para servidores públicos até dezembro de 2021.

A proposta é a contrapartida de Estados e municípios para a que fosse aprovado o projeto de socorro financeiro, de R$ 60 bilhões em injeção de recursos do Tesouro para minimizar os impactos do novo coronavírus na economia local.

A proposta incluiu a renegociação e postergação de dívidas. No entanto, várias categorias foram excluídas na tramitação do projeto no Congresso o que levou Guedes a pedir o veto de Bolsonaro às mudanças.

Leia mais: Com veto de reajuste, servidores públicos querem garantir bônus

"Conversei de manhã com Paulo Guedes. Economia trabalha na questão dos vetos e vamos atender 100% o Paulo Guedes", disse Bolsonaro ao chegar ao Palácio da Alvorada. Segundo ele, os vetos devem ser publicados até quarta-feira (13).

"Talvez quarta-feira vamos decidir. Servidor público vai estar congelado a tendência neste ano é ter deflação, porque todo mundo perdeu poder aquisitivo, exceto servidor público", disse.

Para o presidente, a grande maioria dos servidores públicos é consciente que se a economia não se recuperar não haverá dinheiro para pagar os salários. "Até 31 de dezembro do ano que vem, se for vetado e não derrubarem o veto, não tem mais nada que fazer na economia a não ser desburocratizar", disse Bolsonaro, citando um novo decreto assinado por ele que teria revogado mais de 300 outros decretos.

Copyright © Estadão. Todos os direitos reservados.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree