Peste africana faz Brasil suspender compra de carne suína da Alemanha

15 Setembro 2020

Alemanha confirmou que encontrou javali com a doença

Wolfgang Rattay/Reuters - 16.7.2020

O Ministério da Agricultura do Brasil suspendeu as importações de carne de

porco in natura e processada da Alemanha, após um caso de peste suína africana detectado na semana passada em um javali, disse a pasta nesta segunda-feira (14).

No comunicado ao país europeu — maior produtor da proteína no continente — o ministério disse que solicitou informações detalhadas às autoridades sanitárias sobre as medidas de biossegurança adotadas pelas plantas industriais alemãs.

A Alemanha confirmou na última quinta-feira que encontrou a peste suína africana em um javali morto nas proximidades da fronteira com a Polônia. Autoridades do Estado alemão de Brandemburgo colocaram em quarentena uma área de 15 quilômetros na qual o javali foi encontrado para buscar mais animais mortos, enquanto também restringiram o movimento em fazendas.

A ministra da Agricultura alemã, Julia Kloeckner, chegou a dizer na semana passada que o caso não era motivo para pânico, visto que as autoridades estão avaliando intensamente quais medidas precisam ser tomadas para combater a doença e evitar que ela se espalhe para fazendas comerciais de suínos.

Ainda assim, as exportações alemãs de carne suína para a China e alguns países não membros da União Europeia foram temporariamente suspensas, devido à impossibilidade de emissão de certificados declarando que os produtos são livres de PSA, exigidos por compradores.

O temor maior dos alemães é com relação aos embarques para a China, cujo comércio da proteína suína é avaliado em torno de R$ 6,25 bilhões (1 bilhão de euros) por ano.

Em razão justamente de um surto de peste suína africana desde 2018, os chineses tiveram parte significativa dos plantéis de porcos dizimados e seguem ativos na importação de carnes para atender a demanda local.

A Coreia do Sul, segundo maior comprador de carne suína da Alemanha fora da União Europeia, também anunciou veto às importações de carne suína alemã após a notícia de PSA no javali.

No caso do Brasil, dados do governo federal indicam importações de 1.800 toneladas da proteína suína alemã de janeiro a agosto, ante 2.500 no mesmo período do ano passado. De acordo com a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), os principais produtos adquiridos daquele país são tripas de porco in natura e congeladas.

Copyright © Thomson Reuters.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree