-->

Orgasmo cerebral: saiba o que é e descubra se você já teve um

15 Dezembro 2019

Imagine esse cenário: Você teve um dia cansativo, chega em casa e deita no seu sofá e uma brisa fresca entra pela janela. Você relaxa seu corpo inteiro e coloca

seu fone. Você escuta o som de uma mulher gentilmente falando dentro de seus ouvidos. Ela sussurra, intimamente exalando sua respiração enquanto alterna entre um lado e o outro, causando um arrepio que corre seu corpo. É isso, você acabou de ter um orgasmo cerebral!

shutterstock
Orgasmo cerebral pode trazer várias sensações, entre elas felicidade e relaxamento

Leia também: 7 tipos de orgasmo diferentes e como chegar a cada um deles

Ou melhor: você é uma das felizardas portadoras da Resposta Sensória Meridiana Autônoma ( ASMR, na sigla em inglês para autonomous sensory meridian response). O nome complicado se refere a uma sensação curiosa e formigante, conhecida em alguns cantos da internet como um orgasmo cerebral.

Como é ter um orgasmo cerebral

Pessoas afetadas pelo ASMR costumam ter sensações distintas, o que torna sua descrição algo complicado. Em alguns casos, estímulos diversos podem causar reações de prazer físico intenso. Enquanto para outros a resposta de seu organismo se resume a um quase hipnótico estado de relaxamento e felicidade.

Porém uma das reações mais comuns é uma sensação de formigamento no interior e no topo da cabeça, que pode se estender para baixo pelo pescoço e até mesmo chegar aos braços e pernas. Os fanáticos pelo assunto afirmam que há uma distinção óbvia entre o ASMR e um simples arrepio.

Embora sussurros com uma voz sedosa sejam um dos principais gatilhos, qualquer coisa entre o som que uma caneta faz quando alguém desenha em um pedaço de papel e um discurso monótono e ritmado pode causar um episódio, variando de pessoa para pessoa. E não são apenas estímulos sonoros que podem fazer você ter uma das sensações de um orgasmo cerebral.

Leia também: Orgasmo vaginal x orgasmo clitoriano: qual é a diferença?

O que pode fazer você ter um episódio de ASMR

mulher lavando cabelo no salão de beleza
shutterstock
O orgasmo cerebral pode acontecer em diversos lugares, até no salão de beleza

Para algumas pessoas, a sensação de que alguém está se concentrando exclusivamente em você – como quando um oftalmologista examina seus olhos ou uma cabeleireira corta suas madeixas – também funciona. Ter alguém gentilmente traçando linhas nas suas costas ou acariciando seu cabelo é outra possível causa para a sensação familiar.

Mesmo com tantas possibilidades, existem também aqueles que simplesmente não sentem nada. Para saber se esse é o seu caso ou não, a única forma é testar por conta própria. Ainda que não exista um padrão que funcione para absolutamente todas as pessoas, há alguns temas que aparecem com certa recorrência nos relatos de quem já teve um episódio de ASMR:

  • Vozes suaves e calmantes;
  • Sussurros bem próximos a um microfone ou aos ouvidos;
  • Tons de voz equilibrados, controlados;
  • Ruídos feitos com a boca, como estalar os lábios;
  • Atenção pessoal exclusiva, como receber cortes de cabelo, maquiagem ou exames médicos;
  • Ver a realização de trabalhos manuais feitos com precisão;
  • Sons de batidas leves e repetitivas em materiais diversos;
  • Ruídos suaves de materiais raspando ou cliques sucessivos;
  • Manuseio cuidadoso de objetos preciosos;
  • “Barulhos brancos”, como zumbidos baixos ou som de chuva.

O embasamento científico

Embora o fenômeno tenha um nome complicado, existem poucos estudos científicos sobre o assunto. Segundo o professor Tom Stafford, especialista em psicologia e ciências cognitivas da Universidade de Sheffield, o fenômeno pode até ser algo real, mas é inerentemente difícil de estudar.

“A experiência interior é alvo de muitas investigações psicológicas, mas, quando você tem algo desse tipo que não se pode ver ou tocar, e que nem acontece com todo mundo, isso cai em um ponto cego. É como a sinestesia, que permaneceu como um mito por anos até que, na década de 1990, foi inventada uma forma de mensurá-la com confiança”, disse.

O termo ASMR foi criado por Jenn Allen, uma moradora de Nova York, no EUA, que trabalha no setor de cuidado com a saúde. Ela fundou o Instituto de Pesquisa ASMR, uma organização não oficial que depende de voluntários.

O psicólogo e pesquisador do Instituto D’Or Ronald Fischer afirma que há alguns estudos, porém poucas certezas. “O que sabemos é que, talvez, haja uma diferença nas conexões cerebrais que faça com que algumas pessoas tenham realmente uma maior sensação de relaxamento e bem-estar”, diz para o G1.

Por que o orgasmo cerebral acontece

mulher relaxando no sofá
shutterstock
Você também pode ter um orgasmo cerebral sozinha, no sofá da sua casa, ao relaxar depois do trabalho

Algumas pessoas acreditam que o ASMR é uma resposta residual oriunda da nossa primeira infância. Um eco da atenção cuidadosa dos nossos pais e do efeito relaxado da voz de uma mãe sobre seu bebê. Já outros pensam que isso está mais relacionado a uma questão evolutiva que data de nossas raízes como primatas, algo como uma recompensa sensorial por nos submetermos aos cuidados de outros membros dos nossos grupos.

Leia também: Você sabe o que é orgasmo perfeito?

O YouTube

Cientificamente comprovado ou não, o fato é que tem muita gente que sente e acredita nos no orgasmo cerebral. Já existe uma sólida e crescente comunidade de “ASMRístas” no YouTube e em outras páginas, produzindo uma enorme quantidade de material voltado especificamente para os gatilhos distintos de seus espectadores.

De acordo com o Google Trends, as buscas no YouTube para ASMR mais que dobraram de janeiro de 2018 a janeiro de 2019. São 13 milhões de vídeos sobre o tema. Já o Instagram registrou mais de 5 milhões de vídeos do tipo, o que colocou o ASMR como uma das grandes tendências de 2018 na rede social.

Funciona, basicamente, assim: diante da câmera, os youtubers fazem movimentos lentos e repetitivos, como o de um lápis escrevendo sobre a folha, e sussurros e ruídos suaves, tipo o de amassar papéis. Do outro lado, o espectador vai relaxando. Em “Vídeo para dar soninho”, Mariane Carolina Rossi, dona do canal Sweet Carol, o maior do Brasil sobre o assunto (1,2 milhão de assinantes e vídeos que somam 220 milhões de visualizações), bate e arrasta as unhas sobre uma caixa de papelão e faz os sons “tuc tuc” e “sh sh” com a boca. Em outro, varre suavemente a lente com um pincel de maquiagem enquanto sussurra palavras gentis.

A jovem criou um canal para falar sobre bullying na escola, mas mudou o foco para ASMR depois que uma seguidora disse que sua voz era “calminha e ajudava a dormir”. Passou a ganhar dinheiro e trocou a carreira de enfermeira pela de ASMRtist, como é conhecido quem faz esse tipo de vídeo.


Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 411 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree