-->

Sophie Charlotte conta que escondeu das visitas que estava em trabalho de parto

15 Setembro 2020

Sophie Charlotte teve uma conversa sobre maternidade para a série de vídeos "Mamãe de Primeira" que Nathalia Dill, grávida do primeiro filho, está fazendo no IGTV. A atriz de "Todas

as Mulheres do Mundo" contou que optou por um parto domiciliar e acabou passando por uma situação inusitada.

Reprodução/Instagram
Sophie Charlotte optou pelo parto domiciliar para dar à luz o filho Otto

Durante a gestação do filho Otto, hoje com quatro anos, Sophie e o marido Daniel Oliveira decidiram que o parto seria feito na casa deles. A global disse que preferiram não contar isso para os parentes, para que eles não ficassem assustados. Porém, a atriz acabou recebendo uma visita bem quando já estava tendo contrações.

"A gente combinou que ia ser assim: quando nascesse a gente ia contar a boa-nova. Eu tive um trabalho de parto maravilhoso, importante, vivo, ativo. Num sábado de madrugada eu comecei a sentir uma sensação estranha, que eu não conhecia. E, dormindo, pensei: "Gente, isso não é dor de barriga. Eu tô com contração! Será? Vou fingir que não sei de nada. Vou continuar aqui e dormir" Isso foi se intensificando lentamente ao longo do dia. Meu padrinho foi me visitar com a minha tia, de surpresa. Eu estava com 39 semanas. Então, ainda achavam que tinha ali um tempinho. E eu disfarçando: "Oi! Tudo bem?" E estava em trabalho de parto, tinha contração no meio da conversa!", ela contou.

Sophie também refletiu sobre a relação que a sociedade tem com a dor do parto. A artista disse que algumas dores e esforços, como puxar peso na academia, fazer trilha ou desfilar no Carnaval, são aceitas, enquanto horas em um trabalho de parto são vistas como um sufoco. "Eu acho que o parto tem a ver com isso: é uma mistura de trilha, carnaval e euforia! É uma intensidade! Por que eu falo isso? Porque nosso corpo produz os hormônios de prazer: de euforia, de entusiasmo, de conseguir superar estes limites que a gente tem o conceito de que chegam até aqui. É entender que com o nosso corpo a gente consegue transpor os limites", analisou.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree