Quem define os melhores restaurantes do mundo e como é feita esta seleção?

27 Junho 2019

Divulgada na última terça-feira (25), em Cingapura, a lista The World’s 50 Best Restaurants consagrou os melhores restaurantes do mundo em 2019. Em primeiro lugar ficou o Mirazur, comandado pelo

chef argentino Mauro Colagreco e localizado na França.

Leia também: Descubra quanto custa comer nos 10 melhores restaurantes do mundo

Reprodução/Instagram/restaurantmirazur

No total, 50 restaurantes, incluindo o brasileiro A Casa do Porco, do chef Jefferson Rueda, chegaram à aclamada lista, além de outras 70 casa que foram citados do 51º ao 120º lugar dos melhores restaurantes do mundo.

Mas você sabe como funciona a premiação?

Mirazur
Bruna Amendola

Idealizado pela revista britânica Restaurant Magazine, The World’s 50 Best existe há 17 anos. Em 2007, o prêmio se desvinculou da publicação e passou a ser patrocinado pela San Pellegrino.

Inclusive, uma das novidades em 2019 é que a lista foi ampliada, passando a premiar mais 20 restaurantes, em homenagem aos 120 anos da patrocinadora oficial do evento.

Leia também: Cozido, frito, poché... Saiba como fazer ovo e não errar em nenhuma receita

Outra mudança que aconteceu este ano foi a criação do Best of the Best. Ela nada mais é do que uma lista de restaurantes que não são mais elegíveis para o 50 Best, composta por todos aqueles que já chegaram ao topo do ranking.

Desta forma, o atual número 1 do mundo – e também em 2016 –, Osteria Francescana, de Massimo Bottura, está fora. Outros estabelecimentos hors-concours são: El Celler de Can Roca (2013 e 2015), de Joan Roca; The French Laundry (2003 e 2004), de Thomas Keller; Noma (2010, 2012 e 2014, fechado em 2017 e reaberto em 2018), de René Redzepi; Eleven Madison Park (2017), de Daniel Humm; The Fat Duck (2005), de Heston Blumenthal; e el Bulli (2002, 2006 e 2009, fechado em 2011), de Ferran Adrià.

A única exceção foi o Noma, que fechou seu restaurante original em 2017 – reabrindo em uma versão 2.0 em 2018 – e, por isso, foi permitido que entrasse na competição, apesar de ter sido o melhor do mundo em outros três anos.

melhores restaurantes do mundo
Bruna Amendola


Como funciona a academia e o sistema de votos?

É importante começar destacando que a lista engloba restaurantes e não chefs. O júri é composto por 1.040 experts do mercado gastronômico global – 26 regiões e cinco continentes, sendo 40 votantes por região.

No júri, é possível encontrar 34% de cozinheiros e hoteleiros, 33% de jornalistas e 33% de gastrônomos. Em 2019, pela primeira vez, chegou-se a uma equidade de gênero, ou seja, o júri foi composto de 50% de mulheres e outros 50% de homens.

Cada jurado vota em dez restaurantes, por ordem de preferência, sendo que pelo menos quatro deles devem ser de uma região diferente da sua. Outra obrigatoriedade é que os estabelecimentos devem ter sido visitados nos últimos 18 meses, indicando a data, mas sem informar que é um membro do painel do 50 Best.

Com duração de três dias, o evento tem desde masterclasses e mesas redondas, até almoços com alguns dos chefs premiados, reunindo a nata da gastronomia mundial. Por fim, há a premiação, dividida em três partes.

Outros prêmios concedidos pelo 50 Best – e seus vencedores em 2019 – são:

Melhor chef mulher do mundo: Daniela Soto-Innes, Cosme and Atla
Melhor confeiteiro(a) do mundo: Jessica Préalpato, do Alain Ducasse au Plaza Athénée
Escolha dos Chefs (votado pelos 50 melhores chefs da lista): Alain Passard, do Arpège
Ícone do ano: José Andrés
Restaurante para prestar atenção (com potencial para entrar na lista dos melhores nos próximos anos): Lido 84, do chef Riccardo Camanini, em Gardone Riviera, na Itália
Entrada mais alta (restaurante novato na lista com a melhor posição): Noma, do chef René Redzepi, em Copenhague, na Dinamarca
Arte da Hospitalidade (restaurante com o melhor serviço/atendimento): Den, do chef Zaiyu Hasegawa, em Tóquio, no Japão
Restaurante mais sustentável: Schloss Schauenstein, do chef Andreas Caminada, em Fûrstenau, na Suíça
Restaurante que ganhou mais posições: Azurmendi, do chef Eneko Atxa, em Larrabetzu, na Espanha (saiu de 43º, em 2018, para 14º, em 2019)

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree