Entenda a treta entre Taylor Swift e a gravadora Big Machine

15 Novembro 2019
EFETaylor Swift fez acusações contra sua antiga gravadora, a Big Machine

Taylor Swift usou o Twitter na noite desta quinta-feira (14) para expor a briga que está tendo com a

gravadora Big Machine, com quem trabalhou nos seis primeiros álbuns da carreira.

Em um texto divulgado na rede social, a cantora afirmou que a empresa proibiu que ela cantasse músicas dos discos no American Music Awards (AMA), premiação na qual Swift receberá uma homenagem, em 24 de novembro. A americana ainda revelou que a gravadora não permitiu que ela usasse as canções antigas em um documentário que a Netflix está produzindo sobre sua carreira.

As acusações de Taylor Swift têm um alvo: os empresários Scooter Braun e Scott Borchetta. Braun comprou a Big Machine por US$ 300 milhões (cerca de R$ 1,2 bilhão) e adquiriu os direitos sobre as músicas antigas da cantora. A relação entre os dois nunca foi boa, tanto que a artista afirmou que iria regravar os discos lançados pela gravadora para voltar a ter os direitos sobre o trabalho. Já Borchetta é o fundador da Big Machine.

Depois do post de Taylor Swift, a Big Machine respondeu dizendo que nunca proibiu a cantora de apresentar as músicas no AMA ou de usá-las no documentário. “Na verdade, nós não temos o direito de proibir Taylor Swift de fazer apresentações”, diz uma nota da empresa, que ainda reforça que a gravadora vem atendendo a todos os pedidos da artista desde que o contrato com ela acabou.

O texto ainda diz que a cantora deve milhões de dólares à empresa e acusou Swift de ter incitado o ódio contra a gravadora, uma vez que a nota divulgada pela artista pede para que os fãs “mostrem para Scott Borchetta e Scooter Braun como se sentem em relação à situação toda”. “Taylor tomou uma decisão unilateral de chamar seus fãs de uma maneira calculada que afeta muito a segurança dos nossos empregados e das famílias deles”, diz o texto.

Em resposta, um representante da artista divulgou um e-mail enviado pela Big Machine à equipe dela no dia 28 de outubro dizendo que a empresa não concordaria em licenciar as músicas antigas para dois projetos: o documentário da Netflix e uma apresentação que Swift fez em um evento da empresa Alibaba. No show, ela cantou três músicas de “Lover”, disco lançado neste ano e que não pertence à gravadora, para evitar problemas.

A nota da equipe de Taylor Swift ainda diz que é a gravadora quem deve dinheiro para a cantora. “A Big Machine está tentando fazer com que a situação pareça uma disputa relacionada a dinheiro, mas um auditor independente determinou que a empresa deve US$ 7,9 milhões à Taylor por royalties que não foram pagos ao longo dos anos”, diz.

Os seis álbuns de Taylor Swift que estão sob o controle da Big Machine são “Taylor Swift” (2006), “Fearless” (2008), “Speak Now” (2010), “Red” (2012), “1989” (2014) e “Reputation” (2017). Agora, a cantora tem contrato com a Republic Records, que lançou “Lover” neste ano.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree