Betelgeuse: redução de brilho da estrela ganha explicação

30 Junho 2020
K2_ITEM_AUTHOR 

Pesquisadores registraram, entre outubro de 2019 e abril de 2020, queda de 40% no brilho da supergigante vermelha Betelgeuse, localizada a 642 anos-luz da Terra, na galáxia de

Órion. Um grupo de astrônomos conduzidos pelo Instituto Max Plack de Astronomia, na Alemanha, acredita que a razão do fenômeno foi o aparecimento de manchas estelares na superfície do astro.

A teoria foi explicada em um artigo divulgado nesta segunda-feira (29) pela revista The Astrophysical Journal Letters. Os cientistas acreditam que manchas gigantes, que podem ter coberto de 50% a 70% da superfície da estrela, causaram uma variação em sua temperatura e, por consequência, uma redução em seu brilho.

(Fonte: Miguel Montargès (Observatório Europeu do Sul)/Reprodução)

"À medida que o suprimento de combustível acaba, os processos pelos quais as estrelas liberam energia mudam. Como resultado, elas incham, tornam-se instáveis e pulsam com períodos de centenas ou mesmo milhares de dias, o que nós observamos como uma flutuação em seu brilho", explicou a astrônoma Thavisha Dharmawardena, líder da pesquisa.

A equipe chegou a essa conclusão após conferir dados de ondas submilimétricas do Atacama Pathfinder Experiment e do telescópio James Clerk Maxwell. Na ocasião, eles descartaram a hipótese de que a alteração foi causada pelo aumento de produção de poeira estelar, defendida pela Universidade de Washington.

Variação de temperatura

De acordo com as leis da física, a luminosidade de uma estrela depende de seu diâmetro e da temperatura de sua superfície. Se apenas seu tamanho diminui, a luminosidade baixa igualmente em todos os comprimentos de onda. No entanto, se a variação ocorre na temperatura, a luminosidade emitida pela estrela não é uniforme — o que teria ocorrido no caso de Betelgeuse.

"Imagens de alta resolução correspondentes da Betelgeuse em dezembro de 2019 mostram áreas com brilho variável. Junto ao nosso resultado, essa é uma indicação clara de grandes manchas estelares cobrindo entre 50% e 70% da superfície visível e com uma temperatura mais baixa do que a fotosfera mais brilhante", afirmou o coautor do estudo e pesquisador do Observatório Europeu do Sul (ESO), Peter Scicluna.

Betelgeuse: redução de brilho da estrela ganha explicação via TecMundo

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree