Telescópio que busca alienígenas não sofreu danos eletrônicos

14 Setembro 2020
K2_ITEM_AUTHOR 

No último dia 10 de agosto, o observatório de Arecibo, segundo maior radiotelescópio do mundo, sofreu um desastre em seu gigantesco prato refletor quando um cabo de

metal que sustenta uma estrutura se partiu e provocou um corte de 30 metros. A instalação é famosa por rastrear asteroides e buscar sinais de vidas alienígenas (SETI).

Num comunicado divulgado na última quinta-feira (10), exatamente um mês após o ocorrido, a UCF (Universidade da Flórida Central), que administra a instalação, admitiu que seus funcionários ainda não conseguiram determinar o que causou o rompimento do cabo naquela noite.

Segundo os representantes da universidade, os esforços para recuperação do local estão em andamento, e as autoridades darão início “a uma investigação forense completa” tão logo a National Science Foundation (NSF), proprietária do equipamento, implemente um plano para estabilizar os elementos estruturais críticos.

No comunicado, o diretor do Observatório de Arecibo, Francisco Córdova, reconheceu que “o processo está demorando muito e estamos ansiosos para começar os reparos". No entanto, antes que possam remover os pedaços quebrados e começar a trabalhar, eles necessitam de um plano de segurança.

Fonte: Planet Labs/Reprodução

Como será o plano de segurança?

Já está em andamento uma modelagem por computador para elaborar um plano estrutural. O objetivo é determinar a causa da falha do cabo e também se outras áreas estão em risco como consequência do rompimento. A modelagem servirá de base para mensurar os reparos, os custos e o cronograma.

Assim que concluída, a análise estrutural será submetida à NSF para a elaboração do plano de segurança. Este documento irá orientar a proteção do pessoal que fará o trabalho nas torres e na plataforma.

Quando a segurança das pessoas puder ser garantida, uma equipe de reparos removerá o cabo rompido e o seu soquete que serão submetidos a uma perícia forense.

O que continua em funcionamento

 LIDAR (Fonte: NAIC/Reprodução) LIDAR (Fonte: NAIC/Reprodução)

Enquanto o grande prato está off-line, dois projetos não ligados à antena principal continuam a funcionar segundo a UFC: o LIDAR, sistema utilizado para fazer mapas em alta resolução, e o ROF, uma instalação óptica remota instalada na pequena ilha de Culebra em Porto Rico.

Cientistas que usam o LIDAR em Arecibo continuam conduzindo uma variedade de projetos de pesquisa, incluindo estudos de composição de meteoros. Os equipamentos ópticos e de rádio passivos do ROF operam normalmente.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree