Posto de fiscalização no combate à mosca da carambola será reativado no aeroporto de Macapá


Previsão é que serviço volte a funcionar a partir desta semana. Amapá é um dos estados que registram incidência do inseto nos frutos. Posto de fiscalização no combate à
mosca da carambola será reativado no aeroporto de MacapáMaksuel Martins/Secom/Divulgação O novo prédio do Aeroporto Internacional de Macapá, inaugurado em abril, ao lado da antiga estrutura, na Zona Central da cidade, terá reativada a campanha de vistoria de frutos em bagagens. O serviço, feito pela Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária (Diagro), deve reiniciar esta semana, com foco na fiscalização para o combate à difusão da mosca da carambola. O serviço estava desativado devido mudanças estruturais para o novo terminal. De acordo com a Diagro, além de fiscalização, o posto também vai atuar com ações educativas. As ações ocorrem dessa maneira até que a agência instale um novo scanner no aeroporto, o que ainda não há previsão para ocorrer. O diretor-presidente da Diagro, José Renato Ribeiro, detalha que os passageiros que embarcam com destino a outros estados serão abordados por agentes do órgão, que farão orientações específicas sobre o transporte de produtos. Mosca da carambola (Bactrocera carambolae) é uma praga quarentenária que pode causar prejuízos à agricultura brasileira Danilo Nascimento/Embrapa/Reprodução Algumas cargas, segundo a Diagro, serão abordadas com o objetivo de evitar que frutos hospedeiros da mosca deixem o estado, o que pode provocar sérios danos para a economia do país, principalmente se esses frutos chegarem a pontos produtores de frutos que são exportados para outros países. “Para estas fiscalizações recebemos o reforço de colaboradores da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural que estão finalizando um treinamento sobre a mosca da carambola”, informou Ribeiro. A agência deve colocar informativos no aeroporto sobre quais frutos os passageiros não podem transportar para fora do Amapá. A melhor orientação é que os passageiros que evitem levar frutos nas bagagens. A Diagro estuda a possibilidade de atuar no posto com um cão farejador, que é treinado para auxiliar nas fiscalizações. “Será um reforço a mais nas fiscalizações uma vez que o cão, a exemplo do que é feito no trabalho de combate às drogas, poderá farejar frutos nas bagagens e, com isso, aumentar nossa capacidade de fiscalização”, afirmou o diretor-presidente. Diagro fez visita técnica ao aeroporto antes de retomar serviço de fiscalização Maksuel Martins/Secom/Divulgação De acordo com levantamento realizado em março pela superintendência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Amapá, a mosca só não havia sido identificada este ano nos municípios de Pracuúba, Amapá, Vitória do Jari e Laranjal do Jari. Já os que possuem maior incidência da praga são Macapá, Oiapoque, Pedra Branca do Amapari e Serra do Navio. A mosca da carambola entrou no Brasil em 1996, pelo município de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, e é considerada espécie invasora, originária do sudeste asiático. Por muitos anos, a praga foi mantida sob controle, mas, em 2010 foi identificada em Roraima, e, em 2018, no Pará, o que intensificou o alerta, fazendo com que os órgãos de controle passassem a fortalecer a fiscalização nos portos. Posto de fiscalização no combate à mosca da carambola será reativado no aeroporto de Macapá Maksuel Martins/Secom/Divulgação Para ler mais notícias do estado, acesse o G1 Amapá.

Compartilhe este artigo

Entre para postar comentários

Contato

Telefone: 55 3522-8882

E-mail: atendimento@oguiadacidade.com.br

 

Últimas Mensagens

Newsletter

Receba nossas notícias diariamente