Paraíso hidromineral

(foto: Prefeitura de Passa Quatro/Divulgaçã)


Por entre o relevo montanhoso e as águas que brotam na região, Passa Quatro se revela um destino surpreendente.

A cidade abriga o quarto maior pico do Brasil, além de ser um reduto para quem busca relaxamento com águas terapêuticas ou a adrenalina das aventuras radicais. Integrada ao Circuito Terras Altas da Mantiqueira, o pequeno município de 16 mil habitantes está próximo do eixo Rio-São Paulo, mas a viagem de cerca de 13 horas (pouco mais de 1.100km pela BR-040), de Brasília até lá, compensa a distância.

Pra começar, Passa Quatro conserva uma relíquia que deixou saudade em muita gente. A Maria-fumaça se mantém preservada e é um convite para voltar no tempo. O trem sai da estação central do município e vai até a estação Coronel Fulgêncio, inaugurada por dom Pedro II, e ao Túnel da Mantiqueira. A estação fica no alto da Serra da Mantiqueira, na divisa dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Da janela do comboio, é possível admirar o verde das matas, o relevo montanhoso, o azul do céu e as águas que passam pela cidade. O passeio custa R$ 65 por pessoa.

A cidade também abriga o quarto maior pico do Brasil. Com 2.798 metros de altitude, a Pedra da Mina fica na travessia para Serra Fina, divisa entre Minas e São Paulo. O nascer e o pôr do sol vistos do alto são algo inacreditável. Para subir, é preciso disposição e guias especializados pelo alto grau de dificuldade. Há várias trilhas de acesso, mas algumas, inviáveis para o caminhante sem experiência.

Clássica


O Centro Histórico conta com uma arquitetura clássica e típica de cidades do interior. Com casas datadas do século 19 e início do século 20, exibem nas suas fachadas uma verdadeira aula do design histórico da região. A Casa da Cultura e Biblioteca Pública Municipal fazem parte do conjunto arquitetônico eclético do início do século 20. Atualmente, o local é sede do Patrimônio Histórico Municipal. No ano 2000, o imóvel foi tombado, passando a ser o primeiro bem imóvel legalmente protegido da cidade. As igrejas também fazem parte do cartão-postal da cidade, com destaque para a de São Sebastião.

Mas nada disso se compara à principal caracaterística de Passa Quatro, que é um paraíso hidromineral. Espalhadas por toda a cidade, é possível se deliciar com fontes de água potável. Outro atrativo é o Rio Verde. Alguns de seus afluentes nascem aos pés do Pico da Pedra da Mina, formando um rio que corre entre o relevo rochoso e a vegetação nativa.

Visite

Destino é ideal para quem está em busca de contato com o verde e a prática de esportes de aventura. Confira um roteiro das preciosidades da cidade mineira.

Cachoeira da Gomeira

Formada por várias quedas, sendo a maior com 40 metros, é ideal para banho e a prática de esportes radicais, como o rappel. A cachoeira fica no Bairro Fazenda Velha, na saída da cidade. Suas águas movimentam as turbinas da primeira usina hidrelétrica de Passa Quatro, sendo uma das primeiras do Brasil, datada de 1911.


Andorinhão

(foto: Wikimedia Commons/Reproduçã)
(foto: Wikimedia Commons/Reproduçã)

No limite entre os municípios de Passa Quatro e Itanhandu, a água corre por entre pedras e a mata ao redor.

Cachoeira e Poço do Quilombo

Uma pequena queda com água volumosa, formando um grande poço ideal para banhos. Para chegar ao local, é necessário se aventurar em uma trilha íngreme com obstáculos até sua chegada.

Cachoeira Poço Paraíso

A cachoeira está localizada no Bairro Paiolinho e é recomendada para o banho. É possível fazer trilhas no local, mas é preciso cuidado, já que há um nível de dificuldades.

Pico do Itaguaré

Com altitude de 2.308m, fica entre o município e a cidade de Cruzeiro, já em São Paulo. A vista é fenomenal: de um lado, o Vale do Paraíba; do outro, o município de Passa Quatro e arredores, formando um “mar de montanhas”.


Travessia Serra Fina

(foto: Adilsonb Moralez e Guto / Prefeitura e Passa Quatro/Divulgação)
(foto: Adilsonb Moralez e Guto / Prefeitura e Passa Quatro/Divulgação)

São quatro dias de caminhada. A travessia começa pela Toca do Lobo (1.550m) e segue por uma trilha por cerca de cinco horas até o Pico do Capim Amarelo (2.491m). Pausa para acampar. No segundo dia, o roteiro segue até o Pico da Pedra da Mina (2.797m), principal parada da travessia, num trekking de sete horas. Amanhece o dia e o destino é o Pico dos 3 Estados (2.656m), divisa entre Minas, São Paulo e Rio de Janeiro. No último dia, do Pico dos 3 Estados, segue-se para o sítio do Pierre (1.800m), no município de Itamonte, próximo à divisa de Minas com o Rio. É necessário acompanhamento de guias especializados.

* Estagiário sob supervisão de Taís Braga

Compartilhe este artigo

Contato

Telefone: 55 3522-8882

E-mail: atendimento@oguiadacidade.com.br

 

Últimas Mensagens

Newsletter

Receba nossas notícias diariamente