Imprimir esta página
-->

Para guardar na memória, locais incomuns para a lua de mel

07 Junho 2019

(foto: Victor Bautista Orozco/Flickr - 14/6/13 )

“Ma-ma-mamãe
Eu tô em lua-de-mel
Eu tô morando
Num pedaço do céu
Como o diabo gosta”

(Lulu Santos, em

Lua de mel)


Maio é tradicionalmente conhecido como o mês das noivas, assim como o mês de junho é dedicado aos santos juninos, entre eles o casamenteiro Santo Antônio. Porém, ao longo dos anos, a tradição das cerimônias foi deixada de lado por diversos motivos, principalmente o financeiro. Noivos e noivas estenderam as festas de bodas para os meses finais do ano.

É o que mostra pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2013. Foram realizados 84.143 casamentos em maio daquele ano. Nos meses de novembro e dezembro foram 112.013 e 133.180 cerimônias, respectivamente. Como consequência, a lua de mel, — momento que sela o início da união do casal com o intuito de curtir os primeiros dias de vida em comum e colecionar e lembranças inesquecíveis — coincide com as comemorações natalinas e de ano-novo.

As versões sobre a origem do período de lua de mel são diversas. No Ocidente, fala-se que os recém-casados adotaram o costume de viajar no começo do século 19, na Grã-Bretanha. Os casais que dispunham de maior poder aquisitivo, iam acompanhados de seus familiares para visitarem os parentes que não puderam estar presentes na cerimônia. A lua de mel seria o período após o casamento, uma fase encantadora, que duraria em torno de um mês.

Thiago Tosin com sua esposa em lua de mel, em frente ao Monte Saint-Michel, na França.(foto: arquivo pessoal)
Thiago Tosin com sua esposa em lua de mel, em frente ao Monte Saint-Michel, na França.(foto: arquivo pessoal)

Para alguns casais, a viagem faz parte do ritual do enlace e precisa ter a mesma importância que é dada à cerimônia. Com o passar do tempo, a maioria opta por um bom período de descanso. Há quem sonhe com a realização da viagem desde criança, quem se inspire nos roteiros apontados como tradicionais, que reserve uma quantia consideravel para não ter problemas durante o trajeto. Seja qual for a motivação, é certo que a viagem será um momento que ficará marcado na memória dos apaixonados.

Foi no processo de criar um roteiro para a própria lua de mel que o empresário Thiago Tosin, 36 anos, notou que faltava no mercado um serviço de assessoria para guiar quem ainda não tinha experiência na área. “Eu e minha mulher tivemos que fazer o nosso planejamento de viagem romântica e organizamos um lindo roteiro dividido em duas partes: na primeira, fomos ao Vale do Loire, no interior da França, e na segunda parte, em Malta, uma linda ilha do Mediterrâneo”. Há quatro anos, Tosin é idealizador do Padrinhos de Lua de Mel, um serviço que apresenta três destinos diferentes, de forma interativa e personalizada, de acordo com o perfil e poder aquisitivo de cada casal. Eles detalham voos, pontos turísticos, hotéis, passeios, comidas típicas e valores. Caso sejam contratados, reservam os serviços que são necessários e acompanham o casal até o retorno. Para ele, a ocupação não é trabalho. “Eu faço o que gosto. Meu hobbie sempre foi viagem”.

Alguns destinos são os queridinhos. Tosin conta que a Itália e a região do Caribe são os mais procurados, mas há os que estimulam o espírito de aventura como uma corrida de cavalo na Toscana ou um camping no deserto do Saara, no Marrocos. O Turismo selecionou alguns em que a criatividade é o carro-chefe.

Areias Nômades

(foto: Booking/Divulgacao)
(foto: Booking/Divulgacao)

O cenário cinematográfico promete fazer qualquer um arrepiar. Marrakech, cidade de Marrocos, é a porta de entrada para uma sequência de dias pra lá de especiais. A cidade mantém vivo o seu contexto histórico pelas ruas, cercada de muralhas e grandes palácios. Ela abriga o maior soco berbere, mercado tradicional, como as grandes feiras que vendem artesanato da região. Com o pé na estrada, os dias de repouso estão no deserto. Segue-se até Merzouga, uma aldeia de Berbére, no Saara, responsável por ter o maior conjunto de dunas. Lá, é possível passear no alto dos camelos, fazer circuitos 4x4, se banhar nas areias de forma terapêutica, tudo isso em um acampamento no meio do deserto. O difícil é escolher qual a melhor acomodação para viver a paixão dos recém-casados.


Charme da cavalaria

(foto: Atzuma/Reprodução)
(foto: Atzuma/Reprodução)

A charmosa Toscana, região da Itália, encanta e atrai turistas naturalmente e consegue ser sinônimo de comer, viver e beber muito bem. O que talvez algumas pessoas não sabem é que nos primeiros dois dias do mês de julho e nos dias 15 e 16 de agosto ocorre a mais famosa e tradicional corrida de cavalos do mundo, a Palio di Siena. Fala-se que sua simbologia é dada pela celebração a Nossa Senhora de Provenzano e a Nossa Senhora da Assunção, porém a festa não é religiosa. A corrida é disputada em três voltas na praça e vence quem chegar primeiro. Os pombinhos têm a oportunidade de escolher a melhor acomodação para apreciar a cavalaria italiana.


Cores do infinito

(foto: Hotel ION Luxury Adventure/Divulgação)
(foto: Hotel ION Luxury Adventure/Divulgação)

O jogo de luzes naturais formado no céu promete deixar qualquer ambiente iluminado com o jogo de cores. A aurora boreal é o fenômeno decorrente da movimentação dos ventos solares, somente registrada no Polo Norte. Alasca, Canadá, Finlândia, Suécia são quatro dos oitos pontos onde é possíel avistar a dança das cores. Por sorte, são várias as melhores épocas para ir à caça das luzes que dançam, como os meses de janeiro a março e setembro a dezembro. Antes de embarcar na aventura, é preciso saber que cada país tem características diferentes. Como dica: os meses mais escuros, como novembro, dezembro e janeiro, aumentam a chance de visualizar a aurora. É inesquecível.


Selva moderna

(foto: wilderness-safaris.com/our-camps/camps/bisate-lodge)
(foto: wilderness-safaris.com/our-camps/camps/bisate-lodge)

Em Ruanda, a música e a dança são os anfitriões da cultura no país. A agricultura é a atividade dominante da região e, por isso, três parques nacionais protegem a vegetação natural e um grande número de mamíferos. Em solos africanos, a observação da vida animal é artifício imprescindível. Em um dos sítios que protegem a fauna e flora, Parque Nacional dos Vulcões, há uma hospedagem ecológica. As acomodações traduzem o que a natureza tem de mais sublime. Nos passeios, é possível fazer safari e até conhecer parentes primatas. Lá do alto do balão de ar quente, também se consegue ter a visão da grandiosidade do cenário.


Meses de festa

  • Dezembro 133.180
  • Novembro 112.013
  • Outubro 98.493
  • Setembro 93.371
  • Julho 86.679
  • Maio 84.143
  • Janeiro 81.420
  • Junho 78.967
  • Abril 75.857
  • Agosto 72.765
  • Março 70.563
  • Fevereiro 65.026

Fonte: IBGE/2013

* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree