Imprimir esta página
-->

Nordeste africano dá acesso ao "Portão do inferno"

03 Julho 2019

(foto: Wikimedia Commns/Reprodução )

No nordeste da África, na Etiópia, a 600 quilômetros da capital Adis Abeba, está o deserto Danakil, onde sobressai a colina

vulcânica de Dallol. É o lugar mais quente do planeta Terra, o “portão do inferno “, como definiu Enoque, que teria sido o primeiro homem sábio que recebia revelações sobre segredos do universo, tinha grande sabedoria adquirida em viagens aos céus, guiado por anjos e teria se dedicado à escritura para trasnmitir às gerações futuras. Dados disponíveis no Google Earth Engine registraram temperatura de 40º C para o mês de junho de 2019, com média de 46,07º C.

O Livro de Enoque, escrito em aramaico (a versão disponível é na linguagem etíope), entre 170 e 64 a.C., tem narrativa apocalíptica e levanta a hipótese do fim do mundo em que um grande abismo se abrirá, a Terra será engolida pelo fogo, semelhante ao Apocalipse de João. Enoque era filho de Jared, pai de Matusalém e bisavô de Noé. Em Gênesis (5,26-27) há uma citação sobre a obra do autor etíope: “Henoc andou com Deus. Depois do nascimento de Matusalém, Henoc viveu trezentos e sessenta e cinco anos. Henoc andou com Deus, depois desapareceu, pois Deus o arrebatou.”

O cenário que o escritor descreve é parecido com a paisagem de Danakil, pois na sua origem, em tempos pré-históricos, o território tinha a forma de um precipício. A colina possui, na superfície, uma mistura de cores e bolhas que remetem à criação do planeta Terra. Toda área é instável com frequentes terremotos e vulcões. Fora isso, o local é o mais quente do mundo. O deserto está a 120 metros abaixo do nível do mar, entre o Planalto Etíope e O Mar Vermelho.

Dallol é uma colina vulcânica de origem desconhecida cercada por montes de alturas entre os 50 e 60 metros e com 3km de circunferência. As massas de rochas em fusão, conhecidas como magmas, têm em sua superfície a presença de ácidos que formam lagos coloridos nas cores brancas, amarelas e vermelhas pelas variações iônicas do enxofre e do potássio que acarretam erupções gerando alta temperatura.

Há vida em Dallol

Moradores criam camelos, que fazem o carregamento do material (foto: Wikipédia/Reprodução)
Moradores criam camelos, que fazem o carregamento do material (foto: Wikipédia/Reprodução)


As condições inóspitas sugerem um ambiente impróprio para a sobrevivência humana, mas há uma população caracterizada como nômade, já que ocupa a região de forma semitemporária. Os Afars se adaptaram ao clima, ao terreno e às dificuldades. Moram em cabanas de madeira na aldeia chamada de Hamadela. Sobrevivem pelas atividades do comércio de sal extraído das lajes e a criação de rebanhos de cabras, burros e camelos, que transportam o produto até o mercado.

Gustavo Baptista, professor da Universidade de Brasília — UnB, associado do Instituto de Geociências e especialista em Sensoriamento Remoto, explica que diversos fatores influenciam na alta temperatura do local. A área desértica recebe apenas 100-200mm de água de chuva por ano. Por esse motivo, os moradores vivem com o que é fornecido pelo único rio da região, o Awash. Além da temperatura, a umidade de 60% e os gases nocivos que são exalados das piscinas de enxofre, que são comparadas a pequenos hades (infernos de fogo). Porém, não só as substâncias presentes na cratera fazem do lugar o mais quente do mundo.

“A profundidade que a depressão se encontra, a 120 metros abaixo do nível do mar, tende a dificultar a circulação de ventos. Em 2018, houve índice zero de vegetação, porque a água é uma salmoura densa, que mais parece um gel e sua acidez é muitíssimo elevada. Isso impede o desenvolvimento de matas. Por ser um deserto salino, a umidade do ar fica retida no sal tornando o ambiente ainda mais seco, além de estar numa zona na qual ocorre a divergência de duas grandes células de circulação atmosférica que determina a presença dos maiores desertos do mundo, a cerca de 30º de latitude tanto norte como sul”, afirma o especialista.

Baptista alerta para o risco de explosões no local diante das características do vulcão, que tem cerca de 900 milhões de ano, 1.450 metros de diâmetro e continua aberto, com a presença de ácidos. “ Como essa depressão foi alagada diversas vezes nos últimos 200 mil anos pelo Mar Vermelho, ela é coberta por uma carapaça de sal com cerca de 2km de espessura. É um local de encontro de três grandes falhas, há chances de romper e de se agravar”, explica. (TC)

O fogo que atrai

(foto: O vulcão Eart Ale tem cerca de 900 milhões de anos)
(foto: O vulcão Eart Ale tem cerca de 900 milhões de anos)

Uma imagem recorrente na região é a de habitantes, vestidos em roupas coloridas, seguidos por cáfilas que carregam sacos de sal. Eles seguem caminhos desenhados por rochas formadas por compostos químicos de cloreto ferroso, e hidróxido de ferro no deserto de Danakil. Os minerais colorem as rochas em tons que vão do branco, passam ao amarelo e tingem-se de vermelho, de acordo com a variação iônica de enxofre.

De acordo com a embaixada da Etiópia no Brasil, a superfície do vulcão Dallol é um dos pontos turísticos que atraem visitantes. Danakil também abriga o vulcão Erta Ale. A depressão possui 40km de extensão e uma altura de apenas 600 metros. O topo está cortado por uma caldeira alongada com 1.700 x 600 metros de largura, no interior do qual se encontra o lago de lava. Segundo relatos divulgados pela Volcano Discovery, abriram-se novas fissuras dm 21 de janeiro de 2017, a cerca de 7km da caldeira, emitindo grandes quantidades de magma.

Nas depressões do deserto de Danakil, lajes de onde os habitantes extraem sal(foto: ethiopiatravel/Reprodução)
Nas depressões do deserto de Danakil, lajes de onde os habitantes extraem sal(foto: ethiopiatravel/Reprodução)

Como Chegar

  • A Ethiopian Airlines opera voos regulares com capacidade para 78 passageiros em oito viagens diárias para a capital da Etiópia, Addis Abeba (ADD) para Meleke (MQX), que é um acesso próximo A Dallol. Para se chegar até o deserto de Danakill , o passageiro brasileiro deve pegar um voo em São Paulo (GRU), ir até a capital etiópia, e de lá pegar outro voo até Meleke.
  • De Meleke o viajante deve utilizar transporte terrestre para chegar a Dallol, um trajeto de 4h40m. O transporte pode ser reservado por uma agência de viagens ou pela ET Holidays, DMC do Grupo Ethiopian Airlines. Os operadores de turismo locais costumam oferecer os pacotes A Dallol por meio desta operação, de onde segue em tour terrestre até os atrativos locais.

* Estagiária sob supervisão de Taís Braga


We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree