-->

Acre registra mais de 2,7 mil focos de incêndios em 26 dias, aponta Inpe

28 Setembro 2019

Dados são de registros contabilizados pelo Inpe do dia 1º a 26 de setembro. Entre janeiro e setembro, Acre registrou mais de 6 mil focos de incêndios Reprodução/Rede
Amazônica Acre Nos primeiros 26 dias do mês de setembro, o Acre registrou mais de 2,7 mil focos de incêndio. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados nesta sexta-feira (27), pela Secretaria de Meio Ambiente do Acre (Sema). Em janeiro até esta quinta (26), o estado acreano tem um acumulado de 6.218 mil focos de incêndio. Em dados gerais dos estados da Amazônia Legal, os números registrados no Acre representam 6,5% do total de focos de queimadas contabilizados nos nove estados. Em toda a Amazônia Legal, já foram contabilizados, entre janeiro e setembro, 95.373 mil focos de incêndio. O estado onde há mais registro de focos é o Mato Grosso, com 27.070 mil. O Acre ocupa o 7º lugar no ranking. No Acre, as cidades que mais têm focos de incêndios registrados são: Sena Madureira (386), Feijó (330) e Brasileia (294). Acre ocupa 7º lugar no ranking dos estados da Amazônia Legal com mais focos de incêndio Reprodução Ajuda da Força Nacional No último dia 17, 21 homens da Força Nacional chegaram ao estado acreano para ajudar no combate às queimadas após autorização do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. O estado tinha solicitado, por meio de documento enviado a Brasília, no último dia 6, o reforço dos policiais. No dia 19, a equipe foi enviada para a Floresta Nacional do Antimary, localizada entre Bujari e Sena Madureira, e para o município de Assis Brasil para atuar no combater às queimadas. Foram enviados 10 para cada região e um ficou na sala de situação, que funciona no 4º Batalhão de Infantaria e Selva, em Rio Branco. O reforço ajuda todas as equipes envolvidas nos trabalhos de combate e prevenção aos incêndios no estado. A portaria previa que a atuação da Força Nacional seria até o dia 24 de setembro, podendo ser prorrogado se necessário. Os policiais enviados para o Acre permanecem no estado por mais 30 dias para continuar ajudando no combate. Situação de emergência Em agosto, no boletim divulgado até o dia 25, o estado tinha registrado mais de 2,4 mil focos de queimadas. A situação levou o governo do Acre a decretar, dia 23 do mesmo mês, estado de emergência. O decreto levou em consideração a escassez de chuva, a baixa umidade relativa do ar e as queimadas.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree