-->

MP pede condenação de ex-secretário de Educação e adjunto do AC após indícios de fraude em licitação

07 Outubro 2019

Ex-secretários Marco Brandão e José Alberto teriam contratado empresa de vigilância eletrônica sem licitação. Ex-secretário Marcos Brandão é investigado por fraude em licitação pública para a SEEQuésia Melo/G1 O
Ministério Público do Acre (MP-AC) pediu a condenação do ex-secretário da Educação do Acre (SEE), Marco Antônio Brandão, e do ex-secretário-adjunto da pasta, José Alberto Nunes, por improbidade administrativa. Segundo o MP-AC, os dois teriam contratado uma empresa de vigilância eletrônica sem licitação. Na ação, o órgão cita ainda a empresa Buriti Serviços Empresariais, que é acusada por fraude em licitação pública. Há suspeita de superfaturamento na contratação de serviço de vigilância eletrônica, bem como falta de clareza no valor estipulado, falta de licitação para contratação e também de que a empresa vencedora tenha sido favorecida. Ao G1, Brandão explicou que ainda não foi notificado da decisão, mas alegou que a SEE não tinha envolvimento direto nos processos licitatórios, que eram realizados por uma comissão. “Não tenho conhecimento disso, nem fui notificado. Não me lembro [de irregularidades no processo], até porque as nossas licitações eram feitas pela nossa comissão de licitação. Passava pela comissão, não era uma coisa específica da secretaria”, reafirmou. Já o ex-secretário-adjunto da SEE, José Alberto Nunes, afirmou não ter conhecimento do inquérito e nem das acusações. Ele alegou também que nunca foi ouvido em um procedimento sobre as supostas fraudes. “Estou sabendo agora. Não fui chamado e nem intimado pelo Ministério Público e nem pelo Federal”, acrescentou. A gerência da Buriti Serviços Empresariais S/A informou que não foi notificada da decisão, mas que deve se posicionar oficialmente sobre o caso posteriormente. Inquérito O pedido de condenação é da 2ª Promotoria Especializada de Defesa do Patrimônio Público e Fiscalização das Fundações e Entidades de Interesse Social de Rio Branco. Na publicação, feita nesta segunda-feira (7), o MP-AC destaca que as investigações iniciaram no Ministério Público Federal (MPF) em um inquérito civil. O MP-AC afirmou ainda que a não realização do processo de licitação em contratação de serviços públicos configura improbidade administrativa por parte da gestão. Além disso, a empresa teria consciência do acordo de forma direta. Na mesma ação, o MP-AC pediu a devolução dos valores da contratação, que os ex-secretários percam a função pública, tenham os direitos políticos suspensos, pagam uma multa civil de até cem vezes o valor dos gastos e não possam mais ser contratados pelo Poder Público.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree