-->

Eleições 2020: PCdoB vai apresentar 02 App políticos

29 Dezembro 2019

eleições 2020 #

Nas últimas horas uma polêmica nas redes antissociais surgiu dando conta de que o Partido Comunista do Brasil mudaria de nome….não vai mudar…mas irá propor novidades…que não são

inéditas…dois aplicativos políticos para enfrentar o processo eleitoral de 2020 e este tempo cruel de Bolsonaro:

O Movimento 65  e Movimento Comuns

Abaixo oestadoacre reproduz texto do colunista do Vermelho, Alexandre Santini, sobre o tema…



NÃO PÕE CORDA NO MEU BLOCO

Estamos em um momento de ruptura democrática e sob uma cláusula de barreira que ameaça a existência e legalidade plena do PCdoB. A nova tática eleitoral responde a uma realidade concreta.

*Alexandre Santini

Causou celeuma, nas bolhas da esquerda, a “descoberta” de que o PCdoB irá se apresentar eleitoralmente através de 2 novos aplicativos políticos: o “Movimento Comuns”, espaço para atrair e organizar novas lideranças e movimentos comprometidos com a liberdade e a democracia; e o “Movimento 65”, frente eleitoral que abrigará, sob a histórica legenda do Partido Comunista do Brasil, uma rede de candidaturas democráticas e progressistas nas eleições municipais de 2020.

Acredito que o movimento incomodou a setores da esquerda por aquilo que ele tem de melhor: acrescenta uma novidade ao cenário político/eleitoral de 2020, em meio a uma das maiores ofensivas ideológicas contra a esquerda no Brasil e no mundo, e tira das cordas do ringue uma das forças políticas que mais vem sendo vítima dos ataques da extrema-direita que assaltou o poder em nosso país.

A novidade nem é tão nova assim. O Partido Comunista do Brasil criou a Aliança Nacional Libertadora nos anos 30, já lançou candidaturas pelo MDB, legenda que abrigava a resistência democrática nos anos 70/80, participou da Frente Brasil Popular com Lula em 89, tem experiência na construção e participação em frentes em todo o país. Ou seja, nada que nunca tenha acontecido aqui ou não aconteça em outros países. A leitura da conjuntura é que estamos em um momento de ruptura democrática e sob uma cláusula de barreira que ameaça a existência e legalidade plena do PCdoB. A nova tática eleitoral responde a uma realidade concreta.

Os “críticos” abordam o tema de forma enviesada. É sempre esse papo que se está “abandonando” a foice e o martelo, etc. Mas a tática é semelhante à experiências de Partidos Comunistas ao redor do mundo, que compõem ou dirigem frentes eleitorais, ou seja, se apresentam eleitoralmente sob outros nomes, como a CDU portuguesa, a Frente Ampla uruguaia, a Frente Alternativa Revolucionária do Comum (ex-FARC) na Colômbia, a Fronte Gauche na Franca, o CNA na África do Sul, etc.

Ampliar radicalizando e radicalizar ampliando. Romper os muros e as bolhas que nos fazem rodar em círculos e falar para nós mesmos. Falar com o povo que se decepcionou com a esquerda, mas que está vendo o abismo ser cavado debaixo dos seus pés. Oferecer acolhimento e espaço para novas lideranças vindas de baixo. Se reinventar frente à uma nova realidade.

O mais antigo partido do Brasil, que em 2022 comemorará seu centenário honrando e exaltando sua história, seus símbolos, estatuto e programa, apresenta seu enredo para o desfile eleitoral de 2020. Pelo frenesi que criou nas fileiras das “escolas” coirmãs, parece que o samba é bom e tem tudo pra fazer bonito na avenida;)

*Alexandre Santini – Gestor cultural, dramaturgo e escritor, é diretor do Teatro Popular Oscar Niemeyer, em Niterói (RJ) e autor do livro “Cultura Viva Comunitária: Políticas Culturais no Brasil e na América Latina”

webrádio oestadoacrena nuvem para você ouvir em qualquer ponto do planeta…clique abaixo


Ative o sininho e receba as notificações de oestadoacre

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree