-->

Operação termina com 18 prisões, R$ 800 mil apreendidos e é maior ação contra crimes ambientais da PF-AC

09 Mai 2019

Dessas prisões, 17 tinham mandados de prisão e outra foi em flagrante. Quase 9 mil cabeças de gado foram apreendidas. Operação termina com 17 prisões, R$ 800 mil
apreendidos e é maior ação contra crimes ambientais da PF-AC Divulgação/PF-AC A Polícia Federal divulgou, nesta quinta-feira (9), o balanço da Operação Ojuara, que investiga crimes praticados por grandes fazendeiros no Acre e Amazonas. Ao todo, foram 36 mandados de buscas cumpridos e 18 prisões, sendo 17 por mandados e uma em flagrante. Houve uma prisão ainda em Minas Gerais. Portanto, a operação ocorreu nos três estados. Ainda segundo a PF, falta cumprir um mandado de prisão. O quarto PM se entregou na tarde desta quinta na sede da PF em Rio Branco. Dos presos, cinco são servidores do Ibama; quatro são PMs do Amazonas; três pecuaristas; dois grileiros de terra; um engenheiro florestal ex-funcionário do instituto e mais duas pessoas que a polícia intitulou como “testa de ferro” da organização criminosa. A 17ª pessoa presa foi em flagrante devido à uma arma de fogo irregular. Servidores do Ibama e fazendeiros são presos em operação contra crimes ambientais no Acre Ex-superintendente do Ibama no AC é preso em operação da PF por facilitar crimes ambientais A operação, segundo a polícia, desarticulou um grupo de fazendeiros, policiais e servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) que burlavam o sistema para fazer desmatamentos em áreas da União para a criação de gado. Ao longo dos últimos anos, os investigados foram alvo de 169 autos de infração lavrados pelo Ibama, somando aproximadamente R$ 147 milhões em aplicação de multas, referente a uma área de 86 mil hectares, duas vezes maior do que a área urbana de Rio Branco. Os servidores do Ibama são suspeitos de aplicar multas a ‘laranjas’. (Entenda como funcionava o esquema). Na ação, o ex-superintendente do Ibama, Carlos Francisco Augusto Gadelha, foi preso preventivamente. Além das prisões, a PF divulgou que foram apreendidos 11 veículos, entre carros e caminhonetes; um caminhão; 11 tratores; um monomotor; 10 armas de fogo – sendo 7 pistolas e 3 espingardas e 8,7 mil cabeças de gado. Além disso, na operação foram encontrados aproximadamente R$ 800 mil, como também aparelhos celulares, mídias e documentos. Com o balanço, a PF do Acre afirmou que essa foi a maior operação contra crimes ambientais.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree