-->

Após um ano, família de menina de 11 anos morta em ação do Bope no AC pede prisão de suspeitos

14 Mai 2019

Familiares usaram cartazes e gritavam pedindo justiça. Polícia Militar disse que não vai se manifestar sobre o caso que já está sob responsabilidade da Justiça. Familiares pediram que justiça
seja feita Alcinete Gadelha/G1 Após um ano, familiares e amigos da menina Maria Cauane da Silva, de 11 anos, morta durante uma ação do Batalhão de Operações de Segurança (Bope), fizeram um ato, na manhã desta terça-feira (14), em frente ao comando-geral da PM para pedir a prisão dos responsáveis pela morte da menina. Cauane morreu em maio do ano passado, após ser atingida por um disparo de fuzil usado pela Polícia Militar do Acre (MP-AC) em uma ação policial no bairro Preventório, em Rio Branco. Além de Cauane, foram mortas mais duas pessoas durante um tiroteio entre facções rivais e a polícia. Na época, o Bope informou que o tiroteio começou após os policiais fazerem uma operação na área. Durante o ato, os familiares usaram cartazes e, em alguns momentos, gritavam pedindo por justiça. A assessoria de comunicação da PM informou ao G1 que não vai se manifestar sobre o caso que já está sob responsabilidade da Justiça. O Tribunal de Justiçado Acre (TJ-AC) também disse que não vai se pronunciar sobre o caso. "Foi uma crueldade o que eles fizeram, porque não tinha precisão. Por isso, que pedimos justiça pela nossa filha que morreu inocentemente. Era só uma criança de 11 anos", chorou a mãe da menina, Marlene Paula Araújo. Segundo Marlene, ao procurar o Ministério Público, a família foi informada que o pedido de prisão dos suspeitos foi negado pela Justiça. Criança de 11 anos foi morta durante tiroteio em Rio Branco Arquivo pessoal O pai de Cauane, José Carlos, disse que família foi embora de casa porque vive assustada e espera que a Justiça atenda ao pedido de prisão dos acusados. "Eles chegaram lá com imprudência, disseram que era briga de facções e não é verdade, chegaram atirando e sabiam que lá tinham famílias de bem, idosos e crianças e mataram nossa filha. Estamos aqui só para pedir que eles paguem pelo erro que cometeram", disse. Entenda o caso Um tiroteio entre facções rivais no bairro Preventório, em Rio Branco, terminou com uma criança de 11 anos e mais duas pessoas mortas na noite do dia 14 de maior de 2018. Na época, o Bope informou que o tiroteio começou após os policiais fazerem uma operação na área. A ação no bairro ocorreu após a polícia ter tido acesso a um vídeo, onde criminosos exibiam armas de grosso calibre e anunciavam a retomada do local. “O João falou que é pra não recuar e vai rolar troca de tiros”, dizia um dos trechos do funk divulgado no vídeo. O laudo feito pelo Instituto de Criminalística concluiu que o tiro que matou Maria Cauane foi disparado de um fuzil usado pela PM-AC. A informação foi confirmada pela Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) no dia 15 de maio de 2018.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree