-->

Balanço mostra que 18 pessoas foram assassinadas no Acre no mês de maio

01 Junho 2019

Levantamento da Sejusp mostra total de homicídios registrados em maio deste ano e no mesmo período de 2018. Balanço mostra que 18 pessoas foram assassinadas no Acre no mês
de maio Lenilda Cavalcante/Arquivo Pessoal Dezoito pessoas foram assassinadas no Acre durante o mês de maio deste ano. Dados, da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), mostram que, do total de homicídios registrados, 11 ocorreram na capital do estado, Rio Branco. O balanço da Sejusp foi divulgado nesta sexta-feira (31) e detalha informações dos casos registrados no Acre e em Rio Branco. O estudo mostram também que o principal motivo para as mortes é a guerra entre facções criminosas, que acabam com as execuções. Uma das vítimas da violência foi o músico e fundador do Senadinho, Raimundo Nonato da Conceição, mais conhecido por Raimundo do Cavaco. O sambista saiu para comprar churrasco, na tarde de domingo (26), na Travessa São Bento, no bairro Santa Inês, em Rio Branco, quando foi baleado e morreu. A família afirmou que o músico foi morto por engano e estava no lugar e hora errados. No mesmo local, Ronilton da Silva Queiroz também foi executado e as investigações apontam que ele foi feito de escudo. Na quinta (29), amigos, músicos e familiares do sambista se reuniram em uma roda de samba para homenageá-lo. A professora e filha de Raimundo, Elis Andrade, contou que a dor só aumenta conforme o tempo passa e os criminosos não são presos. Dados Segundo a Sejusp, em maio do ano passado morreram 36 pessoas em todo estado. Porém, o Monitor da Violência, que permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país, mostra que o número de assassinatos no estado em maio do ano passado foram 37. O levantamento da Segurança revela as principais situações em que os crimes ocorreram. A lista inclui confronto entre policias, bebedeira, legítima defesa, execução, rixa, entre outras. Em relação ao confronto com as polícias, não há registro no mês de maio deste ano de mortes envolvendo as instituições. Já em 2018, duas pessoas morreram durante confronto com a Polícia Militar e uma pessoa em confronto com a Civil.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree