-->

Após mais de 6 anos em queda, preço da farinha de mandioca leva produtores a mudar de ramo no AC

13 Junho 2019

Produção de farinha caiu de 600 toneladas para 30 toneladas por mês. Agricultores dizem que produto está desvalorizado. Após mais de 6 anos em queda, preço da farinha
de mandioca leva produtores a mudar de ramo no ACMazinho Rogério/G1 A farinha de mandioca, considerada o principal produto da economia de cinco cidades do interior do Acre, há mais de seis anos sofre um processo de desvalorização no preço e está desmotivando os agricultores a manter a produção. A saca de 50 quilos, que já chegou a ser comercializada por R$ 200, atualmente chega a ser vendida pelo produtor até por R$ 35. O preço do produto, que é reconhecido como a farinha de melhor qualidade do país, está em queda desde 2013. Com a criação de duas cooperativas que se responsabilizavam pela compra em larga escala para a exportação, a saca de 50 quilos era paga para o agricultor a um preço de entre R$ 150 a mais de R$200. Nos últimos dois anos, a saca não superou a casa dos R$ 60 para o produtor quando ele entrega diretamente no mercado da cidade. Se vender na própria comunidade, ele chega a vender a saca até por R$ 35. O presidente de uma das Cooperativas, Darci Mendes, avalia que a falta de capital de giro fez com que as entidades deixassem de manter o produto em estoque aguardando valorização, o que fez a farinha de Cruzeiro do Sul ter o preço reduzido. “Geralmente, quando a cooperativa compra, rapidamente o preço da farinha sobe no mercado, porque o poder da cooperativa é comprar a farinha e armazenar para vender por um preço melhor. Mas, nesses últimos anos, a cooperativa não tem tido um incentivo do governo e não tem conseguido uma linha de crédito no banco”, avalia o presidente da Cooperativa Mista dos Produtores Rurais de Cruzeiro do Sul (Camprucsul). De acordo com a Camprucsul, atualmente nas cidades do Vale do Juruá, são produzidas mais de 30 toneladas de farinha todos os meses. No entanto, a região já chegou a produzir cerca de 600 toneladas mensalmente. Mudando de ramo Devido à baixa no preço do produto, muitos agricultores decidiram parar de fabricar a farinha de mandioca. Esse é o caso da família de Jardel Silva, 35 anos que mora na Vila Santa Luzia. Ele e todos os seus irmãos decidiram mudar de ramo. “O produtor broca o roçado, planta e tem o processo de limpeza da plantação que leva um ano e quando chega no ponto de fazer a farinha e vender, ele praticamente está dando o produto dele, com esse preço. É humilhante. Por isso, decidimos parar e hoje e faço frete nos ramais”, alega Silva. Já o agricultor João Almeida, que mora no Ramal dos Paulinos, ainda mantém o plantio de mandioca, mas também deixou de fazer farinha e agora prefere retirara somente a fécula da mandioca. “Parei porque não tem condição mais não. Hoje você chega no mercado e vende a saca a R$ 50 a farinha, e está a R$ 50 a diária de um trabalhador. Então, não compensa fazer farinha para vender. Agora estamos aproveitando apenas para tirar a goma que a gente vende a R$ 2 o quilo e compensa mais do que a farinha”, disse o agricultor que chega a produzir 500 quilos de fécula por semana. Aqueles que mantém a produção reclamam que a renda caiu e aumentaram as dificuldades para sustentar a família. José Feitosa, de 45 anos, trabalha na roça há mais de 3 décadas. Ele afirma que já chegou a produzir mais de 100 sacas de farinha por mês, mas, com a queda no preço ele decidiu reduzir a produção e hoje são apenas 30 sacas mensalmente. “Depois de todo processo, que temos para fazer a farinha, quando vamos vender, acabamos pagando para trabalhar. Se acaba em nada”, reclama Feitosa.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree