-->

Funcionário de prefeitura é preso suspeito de espancar mulher com cinto por ciúme no interior do AC

10 Julho 2019

Suspeito é funcionário da Secretaria de Educação de Acrelândia, interior do Acre. Defesa diz que vai entrar com pedido de liberdade do cliente. Servidor foi preso nesta segunda-feira
(8) e encaminhado para o FOC em Rio BrancoDivulgação/Polícia Civil do Acre O chefe de transporte da Secretaria de Educação da cidade de Acrelândia, interior do Acre, Alexandre de Oliveira, foi preso por suspeita de espancar a mulher com dois cintos. O servidor foi preso nesta segunda-feira (8) e encaminhado para o Complexo Prisional Francisco d’Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco. A Polícia Civil informou que o casal tem um relacionamento há cerca de um ano. A reportagem não conseguiu contato com a vítima. Ao G1, o vice-prefeito da cidade, Marcos Antônio Teixeira, confirmou que Oliveira é servidor comissionado desde 2017 e tem um comportamento exemplar no trabalho. Segundo ele, o funcionário deve ser exonerado para contratação de outro servidor. “Como é cargo de confiança, temos a obrigação de exonerar porque precisamos que outro servidor ocupe a vaga. Mas, tão logo a Justiça se pronuncie e resolva, a gente vai avaliar sobre a função que ele exerce na prefeitura”, frisou. O advogado do servidor, Leandro Belmont afirmou que o cliente confessou que agrediu a mulher durante uma discussão, porém, alegou que há um mal-entendido nas informações repassadas. Belmont garantiu que o cliente não responde a nenhum outro processo e vai entrar com pedido de habeas corpus. “Houve um mal-entendido, teve um atrito familiar e chegou na Justiça. Algumas informações estão sendo mal entendidas na avaliação da defesa. Meu cliente tem residência fixa, tem profissão, é servidor e não vejo necessidade de interpretar a prisão dele”, criticou. Agressões O delegado responsável pelo caso, Samuel Mendes, explicou que as agressões ocorreram há cerca de duas semanas, mas Oliveira foi preso apenas nesta segunda. A vítima passou por exames de corpo de delito e foi ouvida na delegacia da cidade. “Bateu com um cinto, que quebrou e ele pegou outro cinto. O motivo foi ciúmes, ele estava desconfiando de uma suposta traição. Houve uma discussão e começaram as discussões. Ela ficou bem machucada, com escoriações por todo corpo", ressaltou. Ainda segundo a polícia, a mulher não queria prestar queixa. A polícia só soube do caso porque parentes viram ela machucada e a levaram na delegacia. "Como era a semana da agressão, ela ainda estava toda roxa, foi feito exame de corpo de delito e ela foi ouvida", concluiu.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree