-->

MP investiga se delegado desviou moto para oficial sem autorização da Justiça; ele nega

15 Julho 2019

Procedimento investiga delegado Obetânio dos Santos, que respondia pela delegacia de Feijó. Delegacia nega que autorizou entrega de veículo. Termo mostra que delegado não assinou a autorização da
entrega do veículo Divulgação/Polícia Civil do Acre O Ministério Público do Acre (MP-AC) instaurou procedimento para investigar uma denúncia contra o delegado de Polícia Civil José Obetânio dos Santos. O procedimento apura se o delegado acautelou uma motocicleta apreendida para um oficial de Justiça sem autorização judicial. O caso ocorreu em setembro de 2018, na Delegacia-Geral de Feijó, interior do Acre, quando Obetânio respondia pela unidade. Atualmente, o delegado responde pelos municípios de Mâncio Lima, Rodrigues Alves e Porto Walter. O MP destaca que a motocicleta já estava acautelada para uso da Polícia Civil, após ser apreendida em uma ocorrência de tráfico de drogas. Porém, segundo o órgão, o delegado teria desviado o veículo para o oficial de Justiça usar sem a devida autorização. Termo sem assinatura Ao G1, o delegado negou que tenha autorizado a entrega da moto para o oficial de Justiça. Segundo ele, o oficial chegou na delegacia afirmando que tinha conversado com o juiz da cidade e com o próprio delegado sobre a autorização da entrega. “O indivíduo, quando chegou na delegacia, disse que já tinha falado comigo e com o juiz da época, mas nem falou comigo, nem com juiz e ninguém. Ele tinha perguntado antes se tinha condição de fazer a cautela da moto pra ele, e disse que não tinha porque a moto estava apreendida em flagrante por crime de tráfico de drogas”, confirmou. O delegado acusa o oficial de ter enganado o policial que estava de plantão na delegacia. O policial, então, fez um termo de cautela em nome do oficial com a autorização do delegado. Porém, o documento não chegou a ser assinado pelo delegado. “Nunca assinei esse termo de cautela, não tenho conhecimento dos fatos, o policial que estava na delegacia agiu de boa fé, porque é um excelente policial, e foi ludibriado”, ressaltou. Ele acrescentou que não foi notificado das investigações. A moto já foi recolhida e levada novamente para a delegacia. “Podiam muito bem ter falado comigo. Mas, mesmo assim estão no papel deles, como fiscal da lei, tem que fiscalizar mesmo. Só que, eu não tenho conhecimento dos fatos”, concluiu.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree