-->

Projeto de placas solares propõe mini usinas e créditos de energia no Acre

04 Agosto 2019

Mini fazenda vai ser montada na AC-40. Consumidor pode comprar placa solar e gerar crédito para ser abatido na conta de luz. Placas devem gerar créditos
de energia Alcinete Gadelha/G1 Já pensou em comprar créditos de energia gerada por placas solares? É isso que a empresa Eko Solar está propondo durante a Expoacre deste ano em Rio Branco. A ideia é ter um loteamento com mini usinas que produzem energia solar através de placas. O consumidor pode comprar uma parte deste loteamento e adquirir um crédito que vai ser abatido no valor da conta de energia. A mini fazenda deve funcionar na AC-40, com capacidade 12,5 mil placas solares e produção de 4 kilowatt. O espaço tem 12 hectares. Normalmente a conta de energia é medida pelo kilowatt hora, mas, a Eko Solar mede essa frequência pela potência necessária para atender aquele consumidor. O kW é calculado a partir de R$ 6 mil no caso destes lotes. “Nós medimos a potência da usina, ou seja, o consumo de energia que a sua casa, seu comércio ou seu empreendimento necessita para chegar a um valor que chamamos de kw e multiplicamos a partir de R$ 6 mil. Não é o mesmo do consumo de horário, o que vem na conta é kw hora e eu faço o cálculo de kw potência, que é quanto a usina precisa produzir para atender a quantidade de kw hora”, explica Machael Lima, representante de vendas da empresa. Há 15 anos, a empresa trabalha com energia solar no estado e agora pretende expandir o negócio, que, inclusive, já funciona atendendo 150 famílias da Reserva Chico Mendes, por exemplo. Esses lotes fazem parte de uma geração compartilhada, onde cada pessoa pode ter sua mini usina e produzir sua própria energia. “Essa energia produzida vai ser injetada na rede de energia da companhia, no caso aqui a Energisa, e, após essa injeção, é contabilizada a energia e enviado até a Energisa para que ela compense na conta de energia do consumidor. Ela gera créditos de energia a partir da geração da própria usina, geração compartilhada de várias pessoas, tanto físicas como jurídicas, onde poderemos ter o lote solar nesse empreendimento”, explica o representante. Professora não descarta adquirir um lote futuramente Alcinete Gadelha/G1 A principal vantagem, segundo Lima, é que o consumidor não precisa ter a estrutura das placas em casa. Além disso, esse crédito ainda pode ser compartilhado com um vizinho, por exemplo, caso haja uma sobra. “Nós vamos garantir que sua usina funcione na máxima eficiência, ou seja, os painéis solares estarão posicionados de uma maneira que tenha a maior absorção do sol para que produza sempre em plena eficiência. A conta vai ficar mais barata porque a energia do sol é uma fonte inesgotável e gratuita”, diz. A ideia chamou a atenção da professora Margarete Scheeren, que tirou dúvidas e, inclusive, considera até mesmo garantir um lote futuramente. “É muito interessante poder adquirir uma mini estação e produzir em casa essa energia que é mais em conta e não prejudica o meio ambiente. Quero conhecer, ver as possibilidades e futuramente adquirir na casa”, se anima.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree