-->

Moradores de Rio Branco fecham BR-364 em protesto e pedem melhorias em ramais

05 Agosto 2019

Produtores reclamam de assaltos por causa do difícil acesso e dos prejuízos no escoamento da produção. Moradores fecham BR-364 em protesto Luizio Oliveira/Rede Amazônica Manifestantes fecharam um trecho da
BR-364, nesta segunda-feira (5), nas proximidades do Belo Jardim III. Segundo moradores da comunidade, o ramal Belo Jardim está intrafegável e prejudica o escoamento da produção e sofrem com muitos roubos a motocicletas. A rodovia foi liberada às 10h40 [horário do Acre]. O morador Raimundo Afonso, um dos responsáveis pelo movimento, disse que o ônibus está deixando de circular por causa da situação precária do ramal. "Todos estamos lutando por um objetivo e a reivindicação é que estamos cansados de ir ao Deracre conversar e eles ficarem de fazer o trabalho de piçarramento e tapa-buracos. Disseram que só vão fazer ano que vem e a comunidade não aceita isso. Até ônibus da linha está deixando de andar", disse. O diretor-técnico da Secretaria Estadual de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Seinfra), Alessando Rocha, disse que o ramal foi raspado e está no cronograma e o piçarramento ainda não foi feito pela falta de licenciamento da jazida. "Entramos com a raspagem inicialmente e, no segundo momento, a gente jogaria piçarra, só que a jazida de onde a gente tiraria esse material, quem ficou de fazer o licenciamento dela foi o proprietário da área e até agora ele não conseguiu licenciar junto ao Imac [Instituto de Meio Ambiente do Acre]. Então, a gente não pode extrair material desse local se não tiver o licenciamento", explicou o diretor. Reunião BR foi fechada no início da manhã Luizio Oliveira/Rede Amazônica O diretor-técnico da Seinfra disse que houve uma reunião com os moradores e ficou acertado que seria feito desta forma, primeiro a raspagem, depois o piçarramento. "E os moradores estão chateados porque a gente não piçarrou o ramal. Ficou acordado em ata que assim que eles licenciassem, nós entraríamos com o maquinário para fazer a extração do material", explica. O morador Raimundo Afonso, conta que são pelo menos 22 quilômetros de ramal e os produtores enfrentam dificuldades para escoar a produção. Cerca menos 1,5 mil famílias sofrem com a precariedade do ramal e reivindicam as melhorias e disseram que devem permanecer no local até que tenham uma proposta concreta. Colaborou Luízio Oliveira da Rede Amazônica.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree