-->

No AC, condenados pela Lei Maria da Penha devem ser demitidos de cargos de confiança do governo

07 Agosto 2019

Lei proíbe que a administração pública contrate pessoas condenados pelos crimes descritos na lei e exonere quem estiver exercendo função. Condenados pela Lei Maria da Penha devem ser demitidos
de cargos de confiança do governoReprodução TV Tem A lei, que veta condenados na Lei Maria da Penha a assumir cargos de confiança na administração pública do Acre, foi sancionada pelo governador Gladson Cameli e publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (7). A lei veta os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário nomearem, seja para cargos de secretários, diretores, assessores, entres outros, pessoas condenadas por agredir, bater ou praticar qualquer outro crime contra a mulher. E também prevê a exoneração de quem tiver exercendo alguma destas funções. O G1 tentou ouvir o governo, mas não obteve retorno até esta publicação. O autor do PL, deputado Roberto Duarte, disse que o trabalho, a partir da aprovação do governo, é fiscalizar para que sejam feitas as possíveis demissões e tentar evitar as contratações. "Nós vamos pedir ao governo que faça uma fiscalização para ver se existe alguém nesse sentido que não possa estar no cargo e que essa pessoa seja demitida e os próximos a serem nomeados verifique-se, antes, se eles tiveram alguma condenação pela Lei Maria da Penha para que não sejam nomeados", disse o deputado. Proteção às mulheres Duarte disse que a lei é uma forma de proteger as mulheres e tentar coibir a violência contra as elas. "Nós entendemos com essa lei que ela acaba, de alguma forma, protegendo ainda mais as mulheres e busca a diminuição dos crimes de feminicídio e os crimes contra a mulher", explica o deputado. O PL destacou dados levantados pelo Monitor da Violência, divulgados pelo G1 no mês de março, que mostram que o Acre foi o estado com a maior taxa de feminicídio do país em 2018. Foram 3,2 assassinatos para cada 100 mil mulheres. "Nós apresentamos o projeto para que a gente crie mais um mecanismo de proteção as mulheres no estado do Acre. O estado figura como um dos primeiros em feminicídio no país e a gente precisa tomar providências para diminuir esses índices. Além disso, o deputado diz contar com o apoio da população, e as próprias vítimas para que contribuam e denunciem para que o estado tome as providências.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree