-->

Google homenageia Nise da Silveira, mulher que revolucionou a psiquiatria

16 Fevereiro 2020

A página inicial do Google faz, neste sábado (15), uma homenagem à psiquiatra Nise da Silveira, mulher que revolucionou os métodos de tratamento mental no Brasil. O Doodle (alteração temporária especial

do logotipo nas páginas iniciais do Google) foi dedicado à médica alagoana, que completaria 115 anos na data de hoje. A ilustração foi criada pelo artista Kevin Laughlin.


Foto: Google

Nise foi pioneira na luta antimanicomial e desafiou as práticas psiquiátricas estabelecidas na época, como eletrochoque, lobotomia e camisa de força, sendo entusiasta de uma abordagem mais humana de atendimento ao paciente.

Estimulava-os, por exemplo, a expressarem seus sentimentos por meio da pintura. A arte, durante toda sua carreira, foi uma aliada no tratamento mental.

Uma das primeiras mulheres a se formar em medicina

Nise foi uma das primeiras mulheres a se formar em medicina no Brasil. Em 1931, ao concluir o curso pela Faculdade de Medicina da Bahia, era a única entre 158 homens. Antes de ir para a universidade, estudou em um colégio de freiras em sua cidade natal, Maceió.

Ao longo da carreira, se dedicou a pesquisar e aplicar técnicas e estratégias da terapia ocupacional no tratamento de pacientes com doenças mentais. Foi premiada internacionalmente por sua abordagem inovadora.

A psiquiatra chegou a ser presa no período do Estado Novo (1936-1937), sob o governo de Getúlio Vargas, acusada de se envolver com o comunismo. Ela foi denunciada por uma enfermeira por ter livros marxistas. Afastada do serviço público, só voltou a trabalhar em 1944.

Uma de suas grandes empreitadas foi a criação da Casa das Palmeiras, em 1956, uma clínica para reabilitação de antigos pacientes de instituições psiquiátricas.

Braço direito ilustre

A grande parceira de trabalho de Nise em sua luta antimanicomial foi outra mulher, também reconhecida pelo seu talento na música: a sambista Ivone Lara.

Graduada em enfermagem e especializada em assistência social, Ivone foi o braço direito da psiquiatra em todos os seus projetos revolucionários.

A primeira-dama do samba, que faleceu em 2018, fazia questão de citar a competência de Nise e as mudanças que realizou, de extrema importância para garantir tratamento mais digno a pessoas com esquizofrenia e outros transtornos que necessitam de cuidados complexos.

Nise morreu em 1999, aos 94 anos, por insuficiência respiratória.


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree