-->

‘Puxava o ar e não vinha’; curados relatam sintomas e sofrimentos

27 Março 2020

A advogada defende que seu caso é a prova de que a doença existe e pode acometer pessoas de todas as idades. Ela ainda reforça que a recomendação de isolamento social deve

ser seguida à risca. “O que precisa ser feito é o isolamento. É esse gesto de amor. [Após o diagnóstico] Vim diretamente para minha casa, seguindo um protocolo de isolamento absoluto que em nenhum momento hesitei de cumprir”, diz.

“As pessoas vão sentir dor de cabeça e outros sintomas achando que não é nada. A única coisa a fazer é ficar em casa. Só nos resta isso. É uma oportunidade de refletir como ser diferente, como ser uma pessoa melhor”, completa Renata.

A empresa em que Renata trabalha disponibilizou um médico infectologista para acompanhá-la. Renata, que pratica esportes desde criança e treina todos os dias, sentiu o baque de ter que ficar em casa. O medo, afirma, era um sentimento constante: de uma doença desconhecida, de mostrar fragilidade aos pais, da reação dos amigos, de que a saúde piorasse.

“Os primeiros dias foram uma das piores partes. Aquela ansiedade de você saber se tem ou não, conviver com a possibilidade de passar para as pessoas que você ama. Meu pai tem 70 anos e problemas pulmonares sérios. Meu sobrinho tem meses [de idade], meus colegas de trabalho e de todos que tive contato. Era um pavor”, afirma.

Vera Lúcia Ferreira, 44 anos, moradora de Rio Verde Goiás que foi infectada pelo coronavírus e se curou — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Vera Lúcia Ferreira, de 44 anos, também é uma sobrevivente da Covid-19. De Rio Verde, no sudoeste de Goiás, a recepcionista diz que enfrentou 14 dias de isolamento — longe até da família — após o diagnóstico. Agora, ela comemora a própria recuperação. “Com apoio de todo mundo, com carinho, venci”, afirma ao G1.

Apesar de relatar os mesmo sintomas de uma gripe comum, a sobrevivente alerta para o perigo de subestimar o novo coronavírus.

“Eu comecei sentindo uma tosse seca, dor de cabeça, dor no corpo. Depois veio a febre. Foi quando eu resolvi entrar em contato com o pessoal da vigilância e pedi orientação. […] Não é só uma gripezinha boba. Tem que se cuidar mesmo”, afirmou.

Vera diz que não teve medo de morrer, mas que temia pelos seus parentes, com quem convivia diariamente. “Minha cabeça ficou um turbilhão de coisas no momento. Pensava no meu pai, que mora comigo e é de idade. Nos meus filhos, no meu esposo. Mas já passou. Agora estou curada”, afirma.

Após duas semanas em isolamento, Vera recebeu alta na segunda-feira (23). Seu maior alívio, diz, foi poder voltar a conviver no mesmo ambiente em que a família. “Estou muito feliz, minha família está feliz. Foi muito assustador para todo mundo da família, mas tive apoio e estou aqui”.

De Brasília (DF), a advogada Daniela Teixeira, de 48 anos, é outra sobrevivente da Covid-19. Seus sintomas, diz, “foram leves” e persistiram por quase uma semana. Daniela lembra que “era algo muito parecido com uma gripe, dor no corpo, dor de cabeça, mal-estar generalizado”, mas sentia medo e preocupação.

“O chão se abre, e o desespero toma conta da gente. O mundo está parado por conta do coronavírus, e você recebe quase uma sentença de morte”, afirma.

Após o resultado positivo para a doença, Daniela conta que um dos desafios foi a convivência dentro da própria casa. O marido e os dois filhos, que moram com ela, não estavam doentes, mas também tiveram que ficar em quarentena. “Quem estava dentro de casa comigo tinha que permanecer comigo. Meus filhos não podiam sair, porque poderiam levar o vírus para fora de casa. Ficamos os quatro confinados

Depois de oito dias enfrentando a doença, veio a boa notícia. Na terça-feira (24), Daniela soube que estava curada. Apesar disso, os cuidados e o isolamento continuam. Por recomendação dos médicos, Daniela não pode sair de casa até, pelo menos, o dia 1º de abril.

“Não é uma ‘gripezinha’ de forma nenhuma. Algumas pessoas vão ter a sorte que eu tive de passar por isso e ficar sem sequelas, mas hoje eu tenho três amigas internadas, na UTI. Uma delas em estado grave. É bem mais que uma ‘gripezinha’, pelo volume de pessoas que ela [doença] alcança, e pela gravidade que os sintomas podem ter, é preciso acreditar [na gravidade]. É preciso evitar o vírus e fazer a quarentena”, completa.

A cantora Preta Gil, de 45 anos, também se curou da Covid-19. Diagnosticada com a doença causada pelo novo coronavírus, a artista, que mora no Rio de Janeiro,

Os primeiros sintomas que teve foram calafrio, dor de cabeça e no corpo e “uma ligeira dor de garganta”. Agora, após o período de isolamento e a alta médica, a cantora comemora poder voltar a dormir com o marido. “A gente vai dormir juntos, na nossa cama.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree