-->

Deputado estadual mais votado do RJ é suspeito de ter sido funcionário fantasma

08 Abril 2020
O deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL), o mais votado para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) em 2018, com 140 mil votos, é alvo de uma ação que
tramita na Justiça, suspeito de ter sido funcionário fantasma da Prefeitura de Mesquita, na Baixada Fluminense. A ação de improbidade administrativa foi feita pela Procuradoria...
Rodrigo Amorim, ao centro, durante a campanha para a Alerj; ele quebrou placa com o nome da vereadora Marielle Franco — Foto: G1

O deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL), o mais votado para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) em 2018, com 140 mil votos, é alvo de uma ação que tramita na Justiça, suspeito de ter sido funcionário fantasma da Prefeitura de Mesquita, na Baixada Fluminense.

A ação de improbidade administrativa foi feita pela Procuradoria Geral daquele município, e obtida com exclusividade pelo G1. O Ministério Público se manifestou favorável à ação.

Segundo a acusação, entre abril de 2014 e março de 2016, ele passou pelas subsecretarias de Governo e de Planejamento – sem jamais ter trabalhado por lá e recebendo um total de R$ 82.105. A cidade tem o pior PIB per capita de todo o estado, segundo dados do IBGE.

“(Rodrigo Amorim) não compareceu ao serviço e não prestou serviço no período em que foi servidor de Mesquita, mas recebeu integralmente a sua remuneração”, diz a ação.
A ação pede que a Justiça bloqueie R$ 82 mil do atual deputado, em decisão liminar (provisória). A Justiça do Rio intimou o deputado a se defender antes de decidir se aceita ou não a denúncia.

A juíza Romanza Roberta Neme quer que a defesa do parlamentar seja ouvida antes de decidir ou não pelo bloqueio dos valores.

Em nota (veja a íntegra no fim da reportagem), Rodrigo Amorim diz que “refuta as acusações, que considera caluniosas” e que nunca foi “citado ou intimado para dar qualquer esclarecimento em sede de ação civil pública, investigação, apuração prévia e nem mesmo na sindicância, no âmbito administrativo junto à prefeitura”.

Dez servidores dizem nunca tê-lo visto
A investigação ouviu dez servidores das secretarias onde Amorim deveria dar expediente. Nenhum deles jamais o viu por lá.

Enquanto supostamente trabalhava no município de Mesquita, o atual deputado foi também funcionário da Câmara Municipal do Rio.

A Procuradoria de Mesquita afirma que ele não poderia acumular os dois cargos.

“O ex-servidor Rodrigo Martins Pires de Amorim deliberadamente omitiu da administração de Mesquita o fato de que acumulava cargo público na Câmara Legislativa do Município do Rio de Janeiro”, diz o texto.

Amorim se notabilizou na campanha à Alerj, no fim de 2018, ao quebrar uma placa com o nome da vereadora assassinada Marielle Franco. O ato ocorreu ao lado do então candidato ao governo Wilson Witzel, em Teresópolis.

Na cidade da Região Serrana, ele também ocupou cargo comissionado indevidamente, segundo a PGM de Mesquita.

Na época em que era contratado de Teresópolis, ele dava expediente simultaneamente em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense – cidades separadas por 98 quilômetros.

Reportagem do jornal O Globo, no ano passado, apontava a suspeita de que ele também fosse funcionário fantasma na ocasião.

A denúncia afirma que a prática de receber sem trabalhar na política fluminense normalmente ocorre “em prol de apoios político-partidários, ou clientelismo, apadrinhamentos e condutas afins”.

A denúncia diz que houve:
ato de improbidade administrativa
acumulação de cargos incompatíveis
dano ao erário

PGM pede condenação por:
receber vantagem econômica sem prestar serviços (trabalho fantasma)
improbidade administrativa
acumulação ilegal de cargo
perda da função pública
suspensão dos direitos políticos de 8 a 10 anos
pagamento de multa civil
proibição de contratar com o Poder Público

As fichas de frequência de Rodrigo Amorim foram assinadas, sem faltas, pelo secretário Evandro José Ferreira Taveira e pelos subsecretários Diego Paiva Azevedo da Silva e Evandro da Costa Pinto. Todos eles também foram denunciados.

Histórico
Eleito com o discurso anticorrupção pelo PSL, à época sigla da família Bolsonaro, Amorim já foi também candidato à vice-prefeito do Rio em 2016 na chapa de Flávio Bolsonaro.

Ele segue no PSL e sua ida ao Aliança pelo Brasil, o novo partido do clã, ainda é incerta. Amorim chegou a se dizer candidato à Prefeitura do Rio para este ano, mas a pré-candidatura não foi lançada até o momento.

Íntegra da nota de Rodrigo Amorim
“Quanto às acusações forjadas e mais uma vez divulgadas pelo prefeito de Mesquita, o deputado estadual Rodrigo Amorim esclarece:

1- Em nenhum momento o deputado foi citado ou intimado para dar qualquer esclarecimento em sede de ação civil pública, investigação, apuração prévia e nem mesmo na sindicância, no âmbito administrativo junto à prefeitura. Aliás, por não ser servidor, não poderia ser alvo de sindicância da Prefeitura de Mesquita, embora não se recuse a prestar qualquer esclarecimento sobre o assunto em qualquer que seja o forum.

3- Em 2019 apresentamos notícia-crime na Polícia Civil em desfavor do sr. Jorge Miranda, por fraude: a suposta denúncia anônima que originou a acusação tinha graves indícios de manipulação – foi recebida em 30/11/2019 como denúncia número 01/2019, como se o ano inteiro não tivesse nenhuma outra denúncia. E em menos de duas horas a mesma já tinha sido despachada pela prefeitura e encaminhada à PGM, m tempo recorde.

4- A passagem do deputado pela Prefeitura de Mesquita envolveu dois cargos distintos na área de planejamento e na área de gestão pública. Atuou na gestão de projetos. Dentre diversas realizações, o deputado otimizou o funcionamento do Procon municipal, agilizou a atuação dos conselhos municipais e atualizou as agendas da prefeitura para obter recursos federais, há dois anos defasada. O deputado, quando em Mesquita, participou da criação das Padarias Populares. O trabalho foi efetivamente prestado. Prova disto é que seu vínculo com Mesquita o tornou o deputado mais votado do município em 2018.

5- Na semana passada o deputado publicou em suas redes que esta semana levaria ao conhecimento do Tribunal de Contas do Estado uma denúncia de improbidade administrativa em desfavor de Jorge Miranda, pelo gasto de R$ 6 milhões de dinheiro público para fins que nada têm a ver com a atual pandemia. Sempre que o deputado age contra Miranda, esta acusação caluniosa é reafirmada. Quando o sr. Jorge Miranda esteve na Alerj, o deputado o abordou questionando quanto às denúncias, mas ele covardemente não repetiu as acusações.

6- O deputado refuta as acusações, que considera caluniosas e com finalidade eleitoral, uma vez que ele é declaradamente adversário do atual prefeito.”

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree