-->

Pacientes com câncer apontam falta de remédios há 5 meses no AP; terapias são suspensas

22 Mai 2020

Relatos acusam falta de raio-x há mais de um ano e de isolamento entre pacientes oncológicos e com Covid-19 no Hcal. Governo diz que está na fase final do
processo de compra da oxaliplatina. MPF recebeu denúncia. Unacon está sem remédios para pacientes fazerem quimioterapia Nixon Frank/Rede Amazônica Oxaliplatina, doxorrubicina, ifosfamida, ondansetrona, hidroxiureia e tamoxifeno são remédios para tratar o câncer. Eles estão faltando na Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) do Hospital de Clínicas Dr. Alberto Lima (Hcal), no Centro de Macapá, segundo pacientes. Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) informou que está na fase final do processo de compra da oxaliplatina e que haverá a aquisição de 880 frascos desse medicamento para garantir o abastecimento da rede por, no mínimo, 6 meses. A Sesa informou que avisará aos pacientes assim que chegarem os produtos. A presidente do grupo denominado Pacientes Oncológicos Unidos pela Vida e pelo Amor (Pouva), Léa Learte, de 43 anos, tem câncer de mama e precisa de remédios para o tratamento. Ela contou que o tamoxifeno não é disponibilizado na farmácia da Unacon desde janeiro, há cinco meses. Léa Learte, precisa de medicamentos para controlar um câncer de mama Victor Vidigal/G1 Além da falta de remédios, ela disse que não são realizados os exames de raio-x há mais de um ano e que pacientes oncológicos, do grupo de risco em relação ao novo coronavírus, não são isolados de pacientes com Covid-19 dentro do Hcal. A falta de manutenção do banheiro, que possui porta e sanitário danificados na unidade, é outro problema relatado por ela. Banheiro da Unacon sem manutenção no Hcal Léa Learte/Arquivo Pessoal Não é a primeira vez que pacientes reclamam da falta de medicamento para dar continuidade às sessões de quimioterapia. Em março de 2019 a categoria sofria com a ausência dos produtos no estoque. “Fui diagnosticada com câncer de mama desde 2017 e sempre foi uma luta para conseguir avançar o tratamento na rede pública estadual. Já vi muitos companheiros morrerem porque tiveram que parar o tratamento por falta de medicamentos para as quimioterapias. Os governantes precisam lembrar que a Covid-19 não acabou com as outras doenças como o câncer”, reclamou Léa. Porta danificada do banheiro da Unacon Léa Learte/Arquivo Pessoal O músico Edivagno Fernandes, de 41 anos, foi diagnosticado com a doença no estômago, há quase três meses. Ele disse que precisa realizar 8 sessões de quimioterapia com oxaliplatina, mas há duas semanas o medicamento está faltando na Unacon. Ele afirmou que o tratamento não pode parar, por isso tenta encontrar alternativa para a situação. “Na rede privada, esse medicamento é vendido em um kit que custa cerca de R$ 9 mil para realizar apenas uma sessão. Entramos com uma ação no Ministério Público Federal [MPF] para que o governo cumpra a responsabilidade dele de garantir o tratamento para mim e para todos aqueles que necessitam”, falou Fernandes. O MPF declarou em nota que a denúncia foi protocolada na quarta-feira (20) e já foi repassada ao gabinete da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadãos no Amapá, mas ainda aguarda análise devido ao “curto espaço de tempo desde a denúncia” para andamento das possíveis providências. Remédio que está em falta na Unacon circulado no receituário custa R$ 9 mil na rede privada Edivagno Rabelo/Arquivo Pessoal Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree