-->

Pandemia limitou atuação de 60% dos pescadores do Amapá, aponta estudo de impactos

24 Mai 2020

Pesquisa formada por universidades brasileiras, conta com a Ueap e entidades estaduais para levantar danos do novo coronavírus a comunidades pesqueiras. Estudo diz que mais da metade dos pescadores
pararam de vender peixes Érica Jimenez/Rurap Dados preliminares de um estudo que coleta dados em comunidades pesqueiras no Amapá para medir os impactos da pandemia do novo coronavírus, mostrou que 60% da categoria parou de vender peixes e que o produto tem se tornado um item de subsistência, apenas para alimentar as próprias famílias. LOCKDOWN: Amapá tem isolamento mais rígido, com rodízio de veículos AO VIVO: Veja as últimas notícias sobre o coronavírus no Amapá MAPA DO CORONAVÍRUS: Confira as cidades infectadas pelo país A informação é da Federação dos Pescadores e Aquicultores do Estado (Fepap) e foi incorporada ao projeto de pesquisa intitulado “Impactos da Covid-19 na Pesca Artesanal”. O estudo aponta que entre os principais problemas encontrados pela categoria, está a dificuldade em manter a comercialização com os atravessadores, responsáveis por distribuir o pescado chegar até o mercado consumidor das cidades. Pescadores tem capturado peixes apenas como forma de garantir a alimentação da própria família Érica Jimenez/Rurap De acordo com Érica Jimenez, uma das pesquisadoras e analista de meio ambiente do Instituto de Extensão, Assistência e Desenvolvimento Rural (Rurap), o isolamento social impactou o mercado das comunidades que não têm para quem vender o peixe. “Muitas vezes o pescador não tem como levar o pescado até o mercado consumidor e os atravessadores estão com estoque de peixe cheio, que não estão conseguindo escoar. Portanto, não estão comprando dos pescadores. Isso impacta a renda, também impacta a segurança alimentar, já que o pescador usa o dinheiro para comprar outros alimentos”, explicou. Projeto O levantamento é realizado em vários estados para entender como está a realidade de pescadores nas comunidades mais isoladas do país. A pesquisa é coordenada por professores das universidade federais do Pará (UFPA) e da Paraíba (UFPE) e teve início em março, quando também estudaram os impactos do derramamento de óleo no litoral brasileiro. No Amapá, a pesquisa conta com o auxílio do Rurap, da Secretaria de Pesca de Oiapoque e Universidade Estadual do Amapá (Ueap). O objetivo é transformar os números em políticas públicas que possam prestar auxílio à atividade pesqueira nas comunidades. Atravessadores no Amapá estão com estoque cheio e não estão mais comprando pescados Érica Jimenez/Rurap Érica detalhou que a pesquisa é feita por telefone, via ligação ou envio de mensagem, e segue um roteiro de entrevista que considera as especificidades de cada localidade. No Amapá, os estudos começaram em maio e o primeiro boletim saiu na quarta-feira (20). A intenção é entrevistar, ao menos, 15 pescadores. As perguntas buscam saber o nível de conhecimento deles em relação à pandemia, se conhecem infectados e o que mudou nas atividades deles, bem como impactos na família. De acordo com o boletim, os principais polos pesqueiros no estado são os municípios de Oiapoque e Calçoene. Quem desejar contribuir com o projeto e informar os impactos que a comunidade vem sofrendo, pode entrar em contato com uma das pesquisadoras listadas abaixo: Érica Jimenez: (96) 98136-5055 Marilu Amaral: (96) 99188-0988 Jamile Garcia: (96) 98808-3123 Initial plugin text Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree