-->

Agressão de pedagoga negra por PM motiva ato contra violência policial e racismo no Amapá

22 Setembro 2020

Manifestação em frente ao Comando-Geral da corporação teve a presença de Eliane do Espírito Santo, que prestou depoimento na corregedoria nesta terça-feira (22). Manifestantes protestaram em frente ao Comando-Geral
da PM no Amapá Caio Coutinho/G1 Centenas de pessoas se reuniram em um ato pacífico nesta terça-feira (22), em frente ao Comando-Geral da Polícia Militar (PM), Zona Sul de Macapá, segurando cartazes e aos gritos de “vidas negras importam” e "justiça". O ato foi motivado após um policial dar um soco no rosto da pedagoga negra Eliane do Espírito Santo, de 39 anos, durante uma abordagem. A agressão aconteceu em frente à casa dela, na Zona Norte da capital, na sexta-feira (18). Ela prestou depoimento à corregedoria da PM na manhã desta terça-feira e, pela tarde, compareceu ao protesto que cobrava justiça contra os casos de violência policial no Amapá. Pedagoga leva soco durante abordagem policial em Macapá; PMs foram afastados Mulher filmou o momento em que policial a aborda antes de agredi-la Centenas de pessoas compareceram ao ato por justiça no Amapá Caio Coutinho/G1 A Rua Jovino Dinoá chegou a ser fechada por policiais para que os manifestantes pudessem protestar, no trecho em frente à sede da corporação. O ato também contou com apresentações artísticas como o batuque de marabaixo, representação cultural de origem negra. Em momentos de falas, artistas declamaram poemas e algumas mães e parentes que perderam filhos e amigos devido a casos de violência policial também falaram. Manifestantes citaram que o estado é o que tem a maior taxa de mortos pela polícia em todo o país. Manifestante emocionada durante discurso no protesto Caio Coutinho/G1 No ato, Eliane disse esperar que todas as mobilizações a favor da justiça surtam efeito. “Hoje sou eu, amanhã pode ser outra pessoa. Sempre fui negra, mas hoje me sinto mais abraçada pelo movimento negro. Para mim é muito importante está na luta com eles, não só pela minha causa, mas pelas outras causas que aconteceram e ainda vão acontecer”, frisou. Eliane do Espírito Santo, pedagoga que foi agredida com um soco por um policial, compareceu ao ato Caio Coutinho/G1 Ela também detalhou que se sentiu muito segura durante o depoimento na corregedoria da PM e reiterou que ainda é difícil falar sobre o assunto, devido às agressões sofridas. “Eu pude falar tudo o que aconteceu e que foi difícil e ainda está sendo. A minha maior preocupação é recuperar minha imagem. As pessoas têm sujado minha imagem nas redes sociais, não só a minha quanto da minha família. Eles estão se sentindo em risco”, declarou. Cartazes foram distribuídos no ato Caio Coutinho/G1 De acordo com Rayane Penha, de 24 anos, integrante do coletivo Utopia Negra Amapaense, movimento antirracista, e que fez parte da organização do protesto, o ato nasceu como um processo de reação contra a ação violenta da Polícia Militar contra a pedagoga e que as pessoas não mais devem aguentar esse tipo de opressão. “Mas não foi só por isso, a gente sabe que não foi um caso isolado, quase todos os negros desse país já passaram por uma situação parecida. A maioria das pessoas que estão aqui já passaram por situações parecidas com a polícia, tão violentas quanto, ou até mais, com familiares assassinados”, falou. Laura Silva, líder comunitária falou sobre as abordagens policiais Caio Coutinho/G1 Conforme Laura Silva, de 47 anos, líder comunitária do Marabaixo, bairro na Zona Oeste de Macapá, a população negra, principalmente a de periferia, vive com as abordagens agressivas da polícia. “Eu já fui abordada na rua e a abordagem deles não é bacana. Que bom que as câmeras estavam ligadas, no momento em que aconteceu com a pedagoga, que bom que foi filmado, porque senão seria mais um caso camuflado”, completou. Rayane Penha, integrante do coletivo Utopia Negra no Amapá Caio Coutinho/G1 Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree