-->

Em Nhamundá, vice processa o prefeito

17 Novembro 2019
Eleitos na mesma chapa em 2016, os dois já tiveram outros desentendimentos (Foto: Reprodução / Internet)

O vice-prefeito do município de Nhamundá (distante 382 quilômetros a leste de Manaus), Cleudo Oliveira

Tavares, o ‘Mantegão’, entrou na Justiça contra o prefeito da cidade, Gledson Paulain Machado, mais conhecido por ‘Nenê Machado’, que, segundo narra o vice, está impedindo ‘Mantegão’ de exercer suas funções na ausência do prefeito.

No mandado de segurança que tramita, desde a última segunda-feira, 11, no Tribunal de Justiça do Amazonas o vice-prefeito afirma que o prefeito orientou os secretários a não acatar as determinações dele mesmo quando o vice esteja como prefeito em exercício.

“Ocorre que o impetrante se encontra com dificuldades em exercer suas funções de vice-prefeito/prefeito em exercício na ausência do prefeito. Vale ressaltar que o senhor Gledson Hadson Paulain Machado, deixou ordens aos secretários e assessores que na sua ausência, não poderiam acatar ordens do então prefeito em exercício o senhor Cleudo Oliveira Tavares”, escreveu.

Eleitos na mesma chapa em 2016, os dois já tiveram outros desentendimentos (Foto: Reprodução/Internet)

No processo, a principal queixa de ‘Mantegão’ é estar impedido de ter acesso às contas da administração municipal em Nhamundá e afirma não poder realizar transações bancárias, como pagamento de folha, fornecedores, bem como tomar conhecimento dos gastos do dinheiro público, pois ‘Nenê’ se recusa a deixar o token bancário.

“A fim de cumprir com os pagamentos de fornecedores, procurou a agência bancária para solicitar que fosse feito seu cadastro junto à conta da prefeitura, haja vista, encontrar-se como prefeito em exercício. Porém, foi surpreendido ao chegar à agência bancária, tomando conhecimento através da gerente que não tinha autorização do prefeito para autorizar qualquer acesso às contas da prefeitura”, escreveu o advogado que representa o vice-prefeito.

‘Mantegão’ argumenta que Vice-Prefeito é o substituto imediato e que a substituição temporária é exigência lógica e indispensável para continuidade das atividades municipais.

Em outro trecho do mandado de segurança, o vice-prefeito sustenta: “Inexiste em nosso ordenamento jurídico, quaisquer que seja a esfera, sendo ela federal, estadual ou municipal, a ausência de chefia no Poder Executivo, existindo assim a linha sucessória, verificado no caso em tela, o deslocamento do Prefeito a Capital, resta sobrevir a substituição imediata”.

O processo está tramitando sob relatoria do desembargador do TJAM Domingos Jorge Chalub Pereira.

Por D24AM

Comentarios

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree