-->

Após investigação da PF, eleição do TJ-BA pode ser suspensa

19 Novembro 2019
A presidência interina do órgão é exercida pelo desembargador Augusto Lima Bispo | Foto: Luciano Carcará | Ag. A TARDE

A eleição para presidência do Tribunal da Justiça da Bahia (TJ-BA)

que está marcada para esta quarta-feira, 20, poderá não acontecer. A alta cúpula do órgão se reuniu no início da tarde desta quarta-feira, 19, para definir se o pleito será mantido ou suspenso.

A suspensão da eleição pode acontecer após os desembargadores José Olegário Monção Caldas e Maria da Graça Osório Pimentel, candidatos aos postos serem afastados do órgão. Assim, eles não poderão mais disputar a eleição.

>>Operação Faroeste: presidente do TJ-BA é afastado da função

>>Operação Faroeste mira esquema de venda de decisões no Judiciário baiano

Os dois desembargadores faziam parte da lista com os cinco nomes mais antigos para disputar o posto. Com os afastamentos, estão aptos a concorrer ao cargo de presidente os desembargadores Lourival Trindade, Carlos Roberto e Rosita Falcão.

Na manhã desta terça, o desembargador Gesivaldo Britto foi afastado da função de presidente do TJ-BA pela operação da Polícia Federal que investiga um esquema de venda de decisões judiciais por desembargadores e juízes no Tribunal de Justiça. A presidência interina do órgão é exercida pelo desembargador Augusto Lima Bispo.

comentários

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree