-->

A picape preferida

13 Dezembro 2019

A vocação da Bahia para o agronegócio faz com que as picapes se destaquem no ranking de vendas. No acumulado do ano, de janeiro até novembro o Chevrolet Onix é o

líder com 6.522 emplacamentos, seguido pelo Ford Ka (4.437), até aí seguindo a ordem da média nacional. Mas na terceira posição vem uma picape, a Fiat Toro, com 3.767 unidades licenciadas. O modelo, produzido em Pernambuco, se destaca também no segmento de comerciais leves, que lidera, deixando a Strada, outra picape da Fiat, em segundo lugar (3.506) e a Toyota Hilux (1.727) em terceiro.

No mercado estadual o perfil do consumidor é diferente da média nacional. Enquanto 54,1% dos consumidores brasileiros compram a Toro movida a diesel, na Bahia, esse percentual sobe para 63,9%. No total, a Fiat oferece nove versões dessa picape, que é feita em um monobloco e utiliza a mesma plataforma dos Jeep Renegade e Compass - as picapes médias, como Chevrolet S10 e Volkswagen Amarok são montadas sobre um chassis, que oferece mais resistência.

O para-brisas muito inclinado atrapalha o acesso de pessoas mais altas aos bancos dianteiros

Alguns fatores explicam a popularidade da picape, que vão além da vocação agropecuária estadual. A estética agrada, a variedade de versões ajuda na adequação a diferentes perfis e a falta de um SUV no portfólio da Fiat no mercado brasileiro. A empresa, que atualmente ocupa a terceira posição em participação de mercado no país, não participa em um dos segmentos que mais crescem, o de utilitários esportivos compactos. Dessa forma, onde não consegue atuar com a marca Jeep (que faz parte do mesmo grupo), o consumidor tem como opção a Toro. Isso acontece, inclusive, em cidades pequenas e médias da Bahia, onde a oferta de SUVs de marcas como Honda, Hyundai, Nissan, Renault é menor.

Preferência baiana
Como o consumidor da Bahia dá preferência à opção diesel, escolhemos a Freedom para avaliar. Entendemos essa versão como o melhor custo/benefício. Nessa configuração do utilitário, denominado pela marca como Sport Utility Pick-up (SUP), são 20,2 centímetros de altura livre do solo, o que facilita o trânsito em diferentes tipos de piso. Além disso, conta com a tração 4x4, que é acionada por um seletor do console central. Entre os equipamentos de série nesta versão se destacam a nova central multimídia de 7 polegadas, o ar-condicionado de duas zonas, o sensor de estacionamento, que trabalha em conjunto com a câmera traseira, e a capota marítima.

Em qualquer situação, o motor 2 litros turbodiesel, o mesmo utilizado nos Jeep Renegade e Compass, atuou bem. Ele tem potência máxima de 170 cv, a 3.750 rpm, e seu torque máximo (de 35,7 kgfm) aparece logo depois da marcha lenta, a apenas 1.750 rpm. O câmbio automático é de nove velocidades, fornecido pela ZF, ele é utilizado nos Jeep e também em modelos da Land Rover, como o Discovery Sport. No trânsito de Salvador o consumo médio de diesel foi de 8,9 km/l e na estrada, com velocidade cruzeiro de 110 km/h a média foi de 12,5 km/l.

O acabamento em couro é opcional para a versão avaliada, a Freedom

As suspensões, do tipo McPherson na dianteira e multibraço atrás, mantêm a carroceria firme o tempo todo, sob o controle do motorista. Mas é bom lembrar que a Toro é uma picape intermediária - maior que as compactas, como Strada e Volkwagen Saveiro, e menor que as médias. Ela tem 4,94 metros de comprimento, 1,84 m de largura e 2,99 m de distância entre-eixos. Como comparação, uma Toyota Hilux, a mais vendida entre as médias, tem respectivamente, 5,31 m, 1,85 m e 3,09 m.

A direção, que conta com assistência elétrica, tem boas respostas. Mas o diâmetro de giro das versões diesel é de 12,9 m, maior do que o da Hilux (12,4 m), o que complica as manobras em locais com pouco espaço. E o espaço é pouco para acomodação de itens pessoais na cabine, falta um compartimento para acomodação do celular, por exemplo.

Mercado
Com motor diesel, câmbio automático e tração nas quatro rodas a opção mais barata da Toro é a Endurance, que custa a partir de R$ 131.990. A versão Freedom, vem na sequência, oferecida por R$ 143.990. Com o acréscimo da pintura metálica (R$ 2.500) e um kit que inclui revestimento parcial dos bancos em couro e um descansa braços no branco traseiro o preço da unidade avaliada passa para R$ 149.990. Com o mesmo conjunto mecânico e mais equipamentos, a Fiat oferece outras três configurações para a picape: Volcano (R$ 155.990), Ranch (R$ 162.990) e Ultra (R$ 164.990). Na outra ponta da tabela, com motor 1.8 flex, câmbio manual e tração dianteira está a Endurance por R$ 94.990.

Essa versão pesa 1.779 kg e pode transportar até 1 tonelada. Em volume, a caçamba da Toro tem capacidade para transportar até 820 litros

As revisões das versões diesel devem ser feitas com intervalos de 12 meses ou 20 mil quilômetros. O custo médio dos cinco primeiros serviços programados é de R$ 1.326 cada. A garantia total da picape é de três anos. Por enquanto, há apenas uma concorrente direta para a Toro, a Renault Duster Oroch. No entanto, a Renault só aplica motorização flex ao veículo, que custa entre R$ 66.550 (1.6 Express) e R$ 83.540 (2.0 Dynamique). Mas em breve outros fabricantes vão disputar este mercado, como a Volkswagen, que já apresentou a versão conceitual do seu veículo, a Tarok. A Chevrolet, a Ford e a Hyundai também querem uma fatia deste subsegmento de picapes.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree