-->

Produtores de algodão encerram plantio com otimismo

17 Janeiro 2020

Faltando pouco mais de 20 dias para o fim do prazo de plantio, os agricultores da Bahia já plantaram 85% das sementes de algodão reservadas para esta safra. De dezembro para

cá foram semeados mais de 267 mil dos 315 mil hectares previstos.

Apesar da área ser 5% menor do que a cultivada em 2019, a expectativa é de manutenção do volume produzido na última safra.

“Mesmo com a irregularidade e a redução das chuvas neste início da safra, a perspectiva ainda é a de uma produtividade média acima das 300 arrobas por hectare, o que vai garantir que o algodão baiano continue se destacando no mercado consumidor, que valoriza a qualidade da fibra do estado, considerada uma das melhores do mundo”, afirma Júlio Cézar Busato, presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa).

Uma das estratégias para manter a produtividade é a tecnologia. A cada ano os agricultores vem aumentando os investimentos em sementes e em formas eficientes de manejo e de combate às pragas.

Em 2019 os produtores da Bahia colheram mais de 1,5 milhão de toneladas de algodão. Foi o quarto crescimento consecutivo do volume produzido no estado. Segundo a Abapa, os preços baixos da pluma não devem atrapalhar a tendência de alta na produção baiana.

“Esperamos que as chuvas se regularizem ao longo do ciclo, evitando perdas, elevando a produtividade média e possibilitando que a colheita se aproxime dos resultados da última safra. Também estamos torcendo para que os preços subam, garantindo a rentabilidade necessária para que o produtor continue fazendo o dever de casa, investindo em tecnologia, levando o diferencial ao seu negócio dentro da cadeia produtiva do algodão”, afirma Busato.

Plantações da safra 2020 de algodão estão em andamento no oeste da Bahia. Perspectiva é de alta na produção. (Foto: Georgina Maynart)

TENDÊNCIA

Com uma produção voltada para a promissora indústria têxtil internacional, a cotonicultura baiana está de olho no comportamento do mercado externo. Por isso o setor vem acompanhando atentamente os reflexos do acordo assinado recentemente entre os chineses e os norte americanos. O acordo prevê redução das tarifas impostas pela China para os produtos dos Estados Unidos, e isso deve colocar o algodão brasileiro em desvantagem.

“Com o fim da taxação do algodão americano, a concorrência aumenta. Mas existem outros mercados que podemos ocupar”, acrescenta.

Nas últimas semanas, os preços da pluma brasileira registraram queda no mercado interno, principalmente devido à valorização do real frente ao dólar, um fator que desestimulou os compradores estrangeiros, e por causa do volume em excesso dentro do país. Por outro lado, no mercado externo a pluma se valorizou na Bolsa de Nova Iorque. A alta foi influenciada pelo anúncio da redução nos estoques americanos e pelo acordo entre Estados Unidos e China.

De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o Brasil vai produzir este ano quatro vezes mais algodão do que a quantidade absorvida pelo mercado interno. Serão mais de 2,8 milhões de toneladas no total, mas apenas 0,7 milhões de toneladas devem ser comercializadas no Brasil. Daí a necessidade de conquista de novos mercados.

Não por acaso, em fevereiro será inaugurado um escritório de comércio e representação do algodão brasileiro em Singapura. O escritório será aberto pela Associação Nacional dos Produtores de Algodão (Abrapa), com o apoio de órgãos do governo brasileiro, como o Itamaraty e o Ministério da Agricultura.

“Com o escritório estaremos mais presentes na Ásia para mostrar o algodão que produzimos e garantir aos clientes que temos condições de manter o fornecimento regular ao longo do tempo e com qualidade”, finaliza.

Os cotonicultores estão atentos a mercados como Vietnã e Blangadesh, tradicionais fabricantes de produtos têxteis e que possuem potencial de expansão. Do volume exportado no ano passado, 31% foram para a China, 13% para o Vietnã, 12% para a Indonésia, 11% para Bangladesh, 9% para a Turquia e 7% para o Paquistão.

A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do Brasil. As plantas que estão sendo cultivadas agora devem chegar na fase de colheita em junho.




Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 14367 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree