-->

Encontro de amigos e familiares arrecadou mais de R$ 2,5 mil para enterro de grafiteiro

14 Fevereiro 2020

Promovido pelos amigos e familiares do grafiteiro Jaílson Galdino Souza dos Santos, 27 anos, o Scank, um encontro na pista de skate dos Barris na noite de quinta-feira (14) conseguiu arrecadar

mais de R$ 2,5 mil para ajudar no custeio do velório e sepultamento do artista, espancado e morto a tiro durante a madrugada de quinta, no Imbuí.

Scank e o amigo Jerry foram surpreendidos por cerca de cinco homens enquanto se preparavam para iniciar um novo trabalho. Jerry chegou a ser socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Marback.

De acordo com a professora de antropologia da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e ex-sogra de Scank, Roca Alencar, o encontro nos Barris conseguiu arrecadar mais que o suficiente para o enterro do rapaz.

Foto: Reprodução

"Rolou o encontro ontem e conseguimos arrecadar R$ 2,5 mil e tem depósitos na minha conta que ainda vou tirar o extrato. Eu vou ver os depósitos agora pela manhã, mas acredito que tivemos boa arrecadação porque recebemos apoio de artistas de rua do Brasil inteiro", disse a professora. O enterro custou R$1,3 mil.

Roca contou ainda que viu o posicionamento do Bahia sobre a morte de Scank. O clube, recentemente, adquiriu e expôs uma das vacas da CowParade na Cidade Tricolor, em Dias D'Ávila. A vaca foi pintada por Scank, que era torcedor do tricolor. "Vi o posicionamento, sim. E eles também ficaram de fazer campanha para depósitos de sócios do clube. Ele era meu menino de ouro e seria uma grande estrela da arte urbana. Os artistas tinham uma expectativa sobre o trabalho dele", contou.

A família do artista não está preparando uma homenagens para Scank. No entanto, segundo Roca, os amigos farão homenagens voluntárias com apresentações de poesia, rap e pichações durante o velório e enterro do rapaz, marcado para às 14h, no Cemitério Municipal de Brotas. O corpo deve chegar ao local às 11h para início do velório.

"A mãe dele tá muito mal, sei que ele era o filho predileto, o primogênito dela. Hoje será difícil. A família não pensou nada para homenageá-lo, mas, com certeza, os amigos farão homenagens voluntárias para ele. O grupo de artistas de rua sempre homenageiam seus entes queridos com poesia, rap e assinaturas de spray. É um rito que vejo ser cumprido nos sepultamentos que presenciei", explicou a antropóloga, que pesquisa esse grupo de artistas há ceeca de uma década, onde conheceu e se tornou amiga e depois sogra de Scank.

*com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree