-->

A arte contemporânea é uma ação de costumes

17 Fevereiro 2020
A Fonte, obra de Marcel Duchamp (foto/divulgaçãoi)

Para onde vai a arte contemporânea? Até quando durarão seus materiais e conceitos? Certo é que já se tornou acadêmica e absolutamente repetitiva. Vejamos as

esculturas tubulares, as sombras, os cubos, as cordas, as fotos desfocadas, as caixas com adornos, os livros de arte e outros. Nada disso está errado e se presta perfeitamente à arte contemporânea. O grave é a cópia. O não saber fazer com as informações do mundo circundante. O achismo não é arte, nem também o que o indivíduo quer que seja arte. Tudo cabe no humano para o bem e para o mal.

Os críticos e curadores desesperados em aparecer e não fazer história se lançam em delírios para parecerem maduros, geniais, oportunos. Negar a arte contemporânea é uma sandice, uma aberração, ela foi libertadora, funcionou para o bem e para o mal. Para o mal quando o “inventor” faz coisas que nem sabe o que é e nossos olhos fazem greve.

A arte contemporânea é uma ação de costumes, advinda das grandes transformações socioculturais ocorridas nas últimas décadas. Ela é uma amálgama de diversas técnicas, estilos e escolas. Nunca antes se teve tanta liberdade, diversidade de recursos, materiais e aceitações tão passivas, como se o termo contemporâneo fosse sinônimo de qualidade. Pode ter inventividade, mérito ou ser uma tonteria. Não é o que se pode atingir, mas possibilidades para meditação de novos conteúdos.

Sem Duchamp provavelmente não teríamos a arte contemporânea. Seu legado começou com a pintura até 1912 e revelou que a pintura lhe interessava apenas como elemento intelectual e seu objetivo era ultrapassá-la. Buscou os Ready-Mades. A Fonte(foto), que é seu trabalho mais emblemático. Duchamp foi um dos homens mais inteligentes do século XX. Sem a menor cerimônia muda-se um fio de cabelo e o trabalho passa a ter outra assinatura. Existem artistas que colecionam livros e revistas de arte contemporânea, não como produtos para informações, mas para copiar detalhes de cada um, fazer uma “colcha de retalhos” dos achados e dizer-se um criador.

Não há uma concordância de ideias entre críticos e historiadores sobre o início da arte contemporânea. Aproxima-se do pós Segunda Guerra mundial, como um rompimento com a arte moderna. Revelava-se por meio de variadas linguagens, experimentação de novas técnicas e materiais. No final do século XX a ecologia e o reaproveitamento de materiais são temas recorrentes e se popularizaram com a revolução digital. Mas não se podem negar a força e a representatividade da cultura popular, que exerce grande influência na “cultura culta”. Na arte nunca se deve esquecer nossos antecessores.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree