-->

'Ele é um monstro', diz colega de doméstica morta a facadas por neto de patroa

17 Fevereiro 2020

Foto: Reprodução/Bruno Wendel)

Visivelmente consternado, o motorista Nivaldo Pereira, 62 anos, desabafou: "Ele é um mal elemento, um bicho. Ele é um monstro”. Disse em relação ao neto da patroa

dele, Denilson Israel dos Santos Santana, 29, preso em flagrante por assassinar a facadas a empregada doméstica Jéssica Santiago dos Santos, 29, no domingo (16), no Vale do Canela. O crime aconteceu na residência onde a vítima trabalhava. Jéssica estava grávida de seis meses e teria sido estuprada antes de ser atacada pelo criminoso.

Nivaldo, colega de Jéssica, estava no final da manhã desta segunda-feira (17) no Cemitério Campo Santo, na Federação, onde a vítima será enterrada por volta das 15h30. Ele está à frente na organização do velório. “Ele tentou estuprá-la. Na fuga ele estava de cueca, mas foi pego pela população que depois começou a surrá-lo. Ele foi salvo graças a polícia”, declarou.

Denilson foi levado pela Polícia Militar para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde confessou o crime. Em nota, a Polícia Civil informou que a 3ª Delegacia de Homicídios (DH/BTS) autuou em flagrante, por crime de feminicídio, o suspeito.

"O investigado, preso por policiais militares, após ser agredido por populares, confessou o crime. A polícia apura a informação da tentativa de estupro contra a mulher, como motivo do crime", informa a nota. A polícia informou ainda que o homem tem passagem por roubo e já cumpriu um ano e dois meses no Complexo Prisional da Mata Escura. Um segundo homem, que estava na companhia de Denilson, é procurado pela polícia.

O motorista disse que Jéssica era uma pessoa querida por todos, principalmente pela avó do criminoso. “Todos gostavam dela. Uma pessoa maravilhosa, sensacional, estava grávida de seis meses e teve a vida interrompida por um elemento daquele. A dona da casa estava no Rio de Janeiro e ia passar o Carnaval lá, mas, diante da tragédia, todos estão voltando. Ela (idosa) está arrasada com tudo isso”, disse Nivaldo.

Quem também estava consternada no cemitério foi a irmã de Jéssica, a manicure Emily Santos Silva, 28. Segundo ela, no sábado, Jéssica passou o dia todo na casa da mãe, em Pernambués. A família chegou a pedir para ela não ir para o Vale do Canela, mas a vítima preferiu dormir no local de trabalho, como de costume. “Ela queria voltar porque a dona estava viajando e tinha que tomar conta da casa. Ela fez o correto”, declarou Emily.


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree