-->

Pode-se considerar o Carnaval uma obra de arte?

24 Fevereiro 2020

Pode-se considerar o Carnaval uma obra de arte? Alguns críticos e historiadores dizem que sim, seria uma grande performance, quando se inclui elementos visuais e inventivos.

Carnaval tornou-se a maior manifestação

cultural do Brasil. As escolas de samba especialmente as do Rio e São Paulo, abordam temas ligados ao País, quando se confrontam ideias e temas ligados a brasilidade, festejam nossa história e nomes de personalidades ligadas a ela. No Carnaval o eros e tânatos estão ligados visceralmente. O eros principio do prazer (Freud), alegria, dos movimentos afetivos, da sexualidade que buscam festejar a vida. O lazer e o prazer é que nos livram da loucura. O tanatos principio de morte (Freud), ficam os exageros das comidas, bebidas, drogas, sexo sem proteção e movimentos de risco. A maravilha de cores e suas combinações, a liberdade de atitudes críticas e eróticas, os gestos e o riso, faz do Carnaval um patrimônio do povo.

A partir da década de 1960 o Carnaval passou por grandes transformações, mantém-se apenas como na Idade Média a data móvel, o viés popular e público, o humor, o colorido e o clima de “quebra de hierarquias”. Agora se tornou uma festa oficial organizada numa parceria entre prefeituras de todo país e empresas.

O Carnaval passou a satirizar o outro. O riso corresponde a um olhar do qual em certo sentido o sujeito se exclui, olha-se os aspectos risíveis na figura do outro. O autor está sempre fora do objeto. Os eventos seguem a ordem das cidades, as organizações e leis de cada uma delas.

O Carnaval está ligado às artes visuais, aquelas que lidam com a visão e então se vê uma reviravolta na moda e customizações, alegorias, confecções de figurinos para cantores, atores, bailes, escolas de samba e concursos de fantasias. Na decoração das cidades, nas artes plásticas. Nas escolas de samba do eixo Rio- São Paulo que investem na criatividade, esperando ser a vencedora. As coisas mudaram sim até a erudição no Carnaval, na evolução das escolas, nas coreografias, nos sambas enredos mais sofisticados, nos sons, nos instrumentos, na MPB que se inspira na festa.

Comenta-se muito que Carnaval é “quebra de hierarquias”, isto vale para quem assiste as escolas do camarote ou de cima de um viaduto? Nos espaços do Carnaval há hierarquia e rígidas demarcações. O papel social de cada um é exposto à exaustão.

O Carnaval envolve corpo e mente, todos os órgãos dos sentidos, a memória da pele. Um completo revolver-se do individuo. As alegrias da festa realmente têm motivos? Difícil entender, mas a festa continua e parece nunca ter fim.


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree