-->

Ao som das marchinhas e do funk, criançada curte último dia de Carnaval

25 Fevereiro 2020

A espuma e o confete no chão entregam que a folia era para a criançada. No Pelourinho, o último dia de Carnaval foi tranquilo, em um clima convidativo para as famílias

levarem seus pequenos. Por isso, o local foi o escolhido pela família de Bela Baqueiro, 5 anos, para levar a filha que acabou de passar por uma cirurgia de retirada de um tumor benigno da cabeça.

O médico liberou apenas um dia de folia para a criança e Bela aproveitou tudo do último dia de Carnaval. Ela dançava ao som de Gereba - Capitão Corisco, que tocava sucessos como “Trip do boyzinho” e sentadão e até fazia um quadradinho. “Aqui é legal. Tem comida e música para dançar”, disse a foliã mirim.

“Aqui para mim é melhor porque é mais calmo e tem muitas crianças. É tranquilo para ela se divertir depois da cirurgia”, contou a mãe de Bela, Natália Baqueiro, 35.

Mãe e filha curtiam a folia no Largo Quincas Berro D’Água, no Pelourinho, onde nem a chuva atrapalhava a dança da criançada. Apesar de ser mais novo, Antônio Jorge, de apenas 1 ano e 9 meses, estava igualmente animado.

O pai, que também se chama Antônio Jorge, disse que dava para ver a empolgação do filho com a música e o clima carnavalesco. Vestido de pirata, o menino corria de um lado para o outro e quase não parou para posar para uma foto para a reportagem.

Empolgado, Antônio corria de um lado para o outro na festa no Pelourinho (Marina Hortélio/CORREIO)

A folia infantil não se restringia ao Largo Quincas Berro D’Água. O baile infantil PUMM - Por Um Mundo Melhor também se apresentava no Largo Pedro Archanjo. Entre um lugar e o outro, as crianças buscavam locais para se divertir.

Maria Gabriela Santos, 7, era uma das que desbravavam as ruas do bairro histórico. “Eu gosto de vir pro Pelourinho porque aqui é mais legal. Tem várias pessoas e posso fazer amizade e me divertir. Já fui na praça e agora vou para outras coisas”, disse.

A madrinha de Maria Gabriela, Hosana Sousa, foi para o Pelourinho para proporcionar uma festa divertida para a afilhada. “Tá ótimo porque tem programações para as crianças e é tudo voltado para as famílias”, afirmou. Para ela, é até melhor ir para o bairro porque a Avenida é muito cheia. “Também tem os espaços e a programação para os adultos mais tarde. É uma boa alternativa para quem quer sair do circuito mais cheiro” completou.

Quem estava brincando no bailinho infantil do Pedro Archanjo escutava músicas infantis e antigas marchinhas. O grupo PUMM tocava “Me dá um dinheiro aí”, “Mariana conta um”, “Allah-la Ô”, “Marinheiro só” e “Samba lelê”.

A enfermeira Rubenice Santos, 32, faz questão de trazer os filhos Maria Cecília Brandão, 1, e João Brandão, 4, para o bailinho do Pelourinho. “Aqui é ótimo, tem uma divisória na frente do palco para as crianças brincarem juntas bem a vontade. As músicas integram a família que vem curtir”, comentou.

Os irmãos Maria e João curtiram o baile infantil (Marina Hortélio/CORREIO)

Além das fantasias, músicas, confetes e espumas, as crianças ainda podiam pintar a cara no largo. A fantasia de Olívia Guedes era de joaninha, mas a pequena de apenas 5 anos escolheu uma pintura de gatinha para se enfeitar para o bailinho.

Ir para o Pelourinho já é tradição na família de Olívia, contou a mãe da menina, Mariana Guedes, 39. “Eu moro em Lauro de Freitas e toda a família vem aqui há cerca de quatro anos”, disse.

O CORREIO Folia tem o patrocínio do Hapvida, Sotero Ambiental, apoio institucional da Prefeitura Municipal de Salvador e apoio do Salvador Bahia Airports e Claro.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree