-->

Matheus Buente troca chatice acadêmica pelo humor para contar a História de Salvador

31 Mai 2020

Feudalismo, Macartismo, Absolutismo, Perestroika... O apanhado aleatório de temas distantes que dominam nossas aulas de História fazem com que 90% dos estudantes baianos (segundo uma pesquisa que acabo de tirar do

rabo) não se interessem pela disciplina e, claro, não entendam ou absorvam quase nada.

Mas e se a História fosse um pouco mais próxima e contada da mesma maneira que relatamos, por exemplo, uma treta na vizinhança, um b.o. na saída do brega ou um porre vergonhoso na micareta de Feira de Santana?

Para o professor de História e humorista Matheus Buente, 32 anos, uma dose segura de coloquialismo – no lugar do presunçoso academicismo – e outra cavalar de humor podem ser uma sedução, digo, uma solução para nos tornarmos seres mais interessantes e interessados no nosso passado.

“Quando eu tava na faculdade (de História, na Ucsal), eu recebia muita bronca, tive muito artigo, projeto de pesquisa recusado porque a minha escrita era muito popular, pra todo mundo entender. Mas essa barreira ajudou depois”, conta o educador, se referindo ao sucesso de suas aulas em cursinhos pré-vestibulares. “As pessoas gostavam desse jeito simples, de descomplicar a matéria pra galera entender”, relembra.

Um exemplo prático dessa tática está no vídeo ‘Por que o 2 de Julho é melhor que 7 de Setembro!’, um dos vários no YouTube em que aborda temas históricos: “Somos baianos e a gente comemora a Independência do Brasil na data certa, que é o quê? Dois de Julho! O Sete de Setembro é uma data ‘feona’. A data que você olha assim, ‘teve o quê?’ Nada! Um playboy mimado que brigou com o pai... A gente não pode vibrar por um dia que o maluco brigou com o pai e deu um grito, um chilique. Agora, Dois de Julho... Foi onda braba. Teve duas violas muito boas: uma no Cabrito e outra em Pirajá. E você tá ligado que se fechar um pau no fim de linha de Pirajá, só fica quem é luva. Não é qualquer um que cola”.

Criado entre más e péssimas influências do bem na Cidade Baixa (CBX), Matheus mora há sete anos no Luís Anselmo, Região Metropolitana de Brotas (RMB), e se tornou um dos principais nomes do stand-up baiano.

Professor de História da rede municipal, de onde tira o sustento, e sócio-fundador dos projetos Vatapá Comedy Club e Bloco de Notas, de onde tira um extra, teve que se virar para manter-se visível e em alta durante a pandemia.

“No meio da quarentena, tava investindo nos canais do YouTube e Instagram como plataformas para divulgar o trampo com o humor. A gente filmou muito show, eu fazia os cortes e postava. Mas sem os shows, a gaveta acabou e a galera começou a me cobrar mais coisas”, lembra Matheus, que encontrou nas lives (transmissões ao vivo) uma saída providencial.

“Ia ter o Aniversário de Salvador, aí eu resolvi fazer essa live dia 29 de março. Parei pra dar uma pesquisada, montei o roteiro, e fiz. A galera no Instagram pirou! Depois botei no YouTube, e virou meu conteúdo da quarentena”, explica o professor-comediante, que desde então faz duas lives por mês, com espaço de 15 dias entre elas.

Além da fundação de Salvador (cheio de notas de rodapé sobre a expansão territorial e a curiosa formação dos bairros), já rolou programa sobre História da Música Baiana, do Futebol Baiano e da Comida Baiana (com elogios de dona Elíbia Portela, a criadora do pãozinho delícia), todos com cerca de 50 minutos de duração.

A próxima live já ocorre neste domingo (31), a partir das 20h, no perfil @matheusbuente do Insta. Quem pegar vai conhecer ou relembrar A História do Arrocha e do Pagode Baiano, com citação garantida à incomparável abertura do DVD da banda Kortezia. “Dá pra adiantar que vou falar sobre as mudanças musicais do pagode e do disco seminal do atual pagode baiano, que é o Harmonia do Samba Ao Vivo em Itabuna, além da origem conturbada do Arrocha”, propagandeia Buente no poente deste texto.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree