-->

'Cidadão não': mulher que atacou fiscal não tem registro como engenheira química

08 Julho 2020

A mulher que viralizou no último domingo (5) após discutir e ofender um fiscal da Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro está sendo investigada pelo Conselho Regional de Química III (CRQ-III).

Apesar de constar em seu currículo que ela é formada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), em 2003, como engenheira química, ela não tem registro profissional junto ao CRQ.

Segundo o presidente do órgão, Rafael Almada, ao jornal Extra, uma investigação para saber se a mulher, de 39 anos, atuava como engenheira química ou se era responsável pela área na Taesa, última empresa onde ela trabalhou. Após viralizar com o ataque verbal "cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor do que você", dirigido ao superintendente de educação e projetos da Vigilância Sanitária do Rio, Flávio Graça, a mulher foi demitida, na segunda-feira (6).

"A profissional não possui registro junto ao CRQ-III. Estamos averiguando isso junto a Taesa. Enviamos um ofício nesta quarta-feira (8) para a empresa, perguntando como era a forma de contrato dela com eles. Se ela estiver falando a verdade, que é formada, mas atuava como engenheira química sem registro, ela agiu contra o código de ética profissional. Um engenheiro químico, para exercer plena e regularmente sua profissão deve obrigatoriamente estar registrado em Conselho de Fiscalização da Profissão (CRQ-III), segundo o Art. 25 da lei 2800/1956", explicou Rafael Almada ao jornal Extra.

Segundo o presidente do CRQ-III, caso seja comprovado que a mulher atuou de forma irregular dentro da área, ela será responsabilizada e autuada, em forma de multa e até perda do direito de exercer a profissão.

"Ainda não procuramos a profissional diretamente porque estamos apurando os fatos. Se confirmar que ela atuava sem registro, vamos encaminhar o caso ao Ministério Público Federal e acionar a polícia. Ela ainda vai receber uma multa de até R$ 5.103,88, além de suspensão do direito de exercer a profissão em até dois anos por falta ética".

De acordo com o Extra, a Taesa informou que a mulher desempenhava funções administrativas na área financeira, onde ocupava o cargo de Especialista de Planejamento e Controle, contratada em regime CLT.

A mulher que atacou o fiscal tem ainda uma empresa, AC Engenharia e Consultoria Eireli, criada em abril de 2017, com capital inicial investido de R$ 94 mil. Na Receita Federal, consta como situação ativa e o endereço físico na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Porém, no site do CRQ-III, não há qualquer registro. Nada também consta no site do Conselho Regional de Engenheiros e Arquitetos (Crea).

"Se ela tem uma empresa de engenharia sem registro, neste caso, não há nenhum no CRQ-III, a situação é mais grave. No entanto, caso a empresa atue em vários ramos da engenharia, ela precisa ter um registro no Crea para funcionar, isso a legislação permite. Caso contrário, é irregular", afirmou Almada, ao Extra.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree