-->

De porteiro a mestre: Um professor, uma história, um obrigado à Jorge Portugal

04 Agosto 2020

Faz algumas horas que recebi a notícia da morte do professor Jorge Portugal. Poucos de vocês sabem, mas eu fui porteiro, por cinco anos, do prédio onde ele morou. Trabalhei ali

dos quinze aos dezenove anos e nesse período pude ver sua vida agitada nas artes e na educação.

Certa feita, ao chegar do trabalho e passando pela portaria, ele se dirigiu a mim e perguntou que tipo de literatura eu gostava, já que me via sempre com jornais ou revistas (uma orientação dos padrinhos). A conversa se estendeu e daquele dia em diante ele passou a me emprestar livros e gramáticas para eu estudar.

Tempos depois, ele me perguntou que carreira eu pretendia seguir e eu fui categórico: Ainda não sei, mas quero ser reconhecido e respeitado como o senhor e sentar ao seu lado numa mesa de apresentações. Ele sorriu, agradeceu e seguiu seu caminho. O ano era 1995.

Aquela conversa ficou segredada até 2011/2012, quando, na escola em que eu trabalhava, como professor de redação, dividi o mesmo palco com o aclamado professor e apresentador do programa Aprovado, Jorge Portugal. Ele, como convidado da casa para palestrar e eu como professor das turmas para quem ele falaria. Convidado por ele para assumir a fala e diante dos meus alunos, eu contei a minha história, lancei meus agradecimentos e externei minha alegria por aquele momento. Lacrimejando, ele disse: “Eu nunca ouvi história mais impressionante”.

(Fotos: Arquivo Pessoal e Secom)

Morreu um homem que olhou para um adolescente porteiro e deu o melhor que qualquer uma pessoa pode dar a outra: esperança e livros.

25 anos depois e aqui estou eu: Licenciado em Letras, Especialista em Educação e Mestre em Estudos de Linguagens, Professor de Redação. Sigo os passos do grande mestre, graças ao empenho, orientações e visão dos padrinhos Eduardo e Mara Lima, que jamais souberam dessa história senão no dia em que eu encontrei o professor Jorge no palco da escola. Eu imagino que tantos outros jovens foram marcados por esse grande homem e que tenham construído suas carreiras seguindo o exemplo que ele deu.

Sigo meu caminho desejando marcar vidas e ser exemplo para meus estudantes, assim como me inspirei nesse professor. Sigo almejando tocar corações, encorajar sonhos, dar esperança e mostrar que é possível encontrar água no deserto, beleza em dias cinzentos e joias num amontoado de lixo.

Professor também é herói.
Kia kaha.

*Gilmar Souza Costa é mestre em Estudos Linguísticos, especialista em Gestão da Educação e graduado em Letras com Francês

Texto originalmente publicado no Facebook e replicado com autorização do autor

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree