-->

Roger explica saída de medalhões do time: 'Momento dos atletas'

13 Agosto 2020

O torcedor do Bahia que acompanhou a vitória de 1x0 sobre o Coritiba, na noite desta quarta-feira (12), no estádio de Pituaçu, deve ter se surpreendido com a escalação inicial do

tricolor. Na estreia no Brasileirão, o treinador Roger Machado deixou a "hierarquia" de lado, barrou medalhões e montou um time bem diferente do habitual.

Na defesa, Ernando ganhou a vaga e a braçadeira de capitão de Lucas Fonseca na zaga e Nino Paraíba seguiu entre os titulares na lateral direita. No ataque, Fernandão foi para o banco e o setor teve apenas Rossi e Élber, sem um centroavante de origem. Já o meio-campo foi formado por Ronaldo, Flávio, Rodriguinho e Daniel, novidade da noite.

Daniel na marcação de Galdezani; meia foi uma das novidades no time do Bahia
(Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

Ao fim do jogo, Roger explicou as mudanças. Segundo ele, o objetivo foi aproveitar o melhor momento de cada jogador. "A ideia, mais do que a mudança das características dos jogadores, foi buscar o melhor momento de cada atleta. Com os 120 dias da pandemia e o retorno em 11 jogos ainda não temos todos no ritmo. Alguns ainda sentem esse período parado em um ano atípico", explicou o técnico.

"Nesse momento, a escalação, a forma de jogar, foi baseada, sobretudo, na forma que Rodriguinho jogou por muito tempo, com a possibilidade de colocar Élber para dentro, com as puxadas de velocidade, e Daniel pelo lado como vinha no estadual. É o equilíbrio e a forma de jogar em que teríamos mais a bola. Mas a dúvida que se dissipou durante o jogo era se teríamos capacidade de atacar. Isso ficou bem claro durante o jogo inteiro", disse Roger.

Roger falou também sobre a queda de rendimento que o Bahia teve no segundo tempo, quando sofreu pressão do Coritiba e desperdiçou as chances que teve para matar a partida. Na análise do técnico, seu time seguiu com o mesmo jogo, mas o adversário conseguiu ser superior.

"A queda no segundo tempo está associada ao jogo do adversário que também queria vencer. Você não vai dominar no adversário o jogo inteiro. O importante é, nos momentos em que você não está dominando o jogo, consiga dominar o adversário e impedir que ele produza oportunidades de gol. Isso a gente fez bem. Depois voltamos para o jogo e criamos outras oportunidades para ampliar o placar", argumentou o treinador. "Como mandante você vai propor o jogo e vai jogar de forma reativa a depender do momento da partida. Para mim não houve uma queda de rendimento, mas uma superioridade do adversário em determinado momento, o que faz parte do esporte", finalizou.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree