-->

Músicas de mestres populares ganham versões modernizadas

15 Setembro 2020

Há dez anos, o músico e pesquisador Betão Aguiar dava início ao projeto Mestres Navegantes, que passou a registrar em CDs a música produzida e disseminada pelos mestres de cultura popular

do país. De lá para cá, foram 28 álbuns e mais de 640 canções gravadas em quatro estados: São Paulo, Bahia, Ceará e Pará.

Para celebrar a primeira década do projeto patrocinado pela Natura Musical, chega hoje às plataformas de música a coletânea Mescla, com sete regravações de canções que haviam sido registradas nesses dez anos. Agora, são produzidas por artistas como Curumin, Pio Lobato, Strobo, Felipe Cordeiro e Mahal Pita.

“Esse lançamento é um novo passo para o projeto, porque mistura artistas contemporâneos com mestres populares”, diz Betão Aguiar.

Mas logo ele mesmo se corrige: “Nem gosto de fazer essa separação entre contemporâneo e popular, porque os mestres também são contemporâneos, vivos, estão aí”.

Das sete regravações, três têm origem na Bahia. Uma delas é a faixa Seu Pastinha, de Mestre Curió e gravada agora por Mahal Pita, que trabalha com bandas como Afrocidade e já colaborou com o BaianaSystem. “Mahal pega o analógico e transforma em digital, mas sem perder as características originais. Nessa gravação, a capoeira encontra o samba reggae”, diz Betão. A versão foi aprovada pelo próprio Mestre, que costuma ser reticente com essas tentativas de 'modernização' do seu trabalho. “Curió foi discípulo de Mestre Pastinha. Ele tem 80 anos e ficou muito feliz com o resultado”, assegura Betão.

Candomblé

Ainda da Bahia, há dois pontos do candomblé, sendo um para Iansã e outro para Oxum. A captação original havia sido realizada no terreiro Ilê Axé Alaketu Oya Funan, em Muritiba. O primeiro é produzido por Juninho Costa, o Junix, junto com Andréa May. O outro é de Rafael Munhoz. “Rafael fez uma versão dançante de um canto de Iansã e talvez essa seja a faixa mais pop. Mas prefiro não chamar essas sete gravações de remix porque na verdade são uma cocriação”, diz Betão.

Betão Aguiar e Mestre Curió

Mahal diz que o convite para participar da coletânea chegou num momento importante para ele, que pesquisa o samba reggae: “Quando ouvi, senti que algo me reencontrava, sincronizou com absolutamente tudo o que estava fazendo. Mestre Curió é um griô de voz inconfundível”.

Felipe Cordeiro e Klaus Sena escolheram Forró do Remoído, da Banda Pife Carcará, enquanto o Strobo - duo de música eletrônica formado por Léo Chermont e Arthur Kunz - optou por visitar o Bendito de Entrada, dos Penitentes e Inselenças do sítio Cabeceiras, de Barbalha (CE). O resultado é um encontro entre os cantos religiosos dos mestres cearenses com o vigor dançante das guitarradas digitais características da dupla paraense.

Também hoje, começam a chegar às plataformas digitais os álbuns originais com as mais de 640 canções gravadas nos quatro estados que Betão visitou. Antes, as faixas estavam disponíveis apenas no Soundcloud.

Na terça-feira da semana que vem, chega ao YouTube o curta Chegança No Jardim das Belas Flores, dirigido por Betão Aguiar e Bruno Graziano. O filme é uma homenagem a dois grupos femininos de Marujada, que, inicialmente, tiveram dificuldades em ser aceitos pelos homens e precisaram vencer uma cultura machista.

“Aquelas mulheres resistiram muito e elas contam isso no filme. Tomaram a liberdade de pegar no pandeiro, mesmo contrariando o universo machista onde foram criadas”, diz Betão.

No ano em que o documentário foi gravado, 2018, as cheganças foram reconhecidas como patrimônio cultural imaterial da Bahia.

O projeto prepara também o lançamento de seu primeiro longa-metragem, Samba de Santo, que mostra três blocos afros - Ilê Aiyê, Bankoma e o Cortejo Afro - se preparando para desfilar no Carnaval de Salvador deste ano. Inicialmente, será apresentado em festivais e em novembro deve chegar ao circuito comercial ou ao streaming. “Visitamos esses blocos afros que têm tradição do candomblé e o filme acabou ganhando um tom político, sobre a negritude, sobre as dificuldades que eles passam para conseguir botar o bloco na avenida”, diz Betão, que dirige o filme.

Terreiro Ilê Axé Alaketu Oya Funan, em Muritiba



We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree