-->

Homem se recusa a botar máscara, ameaça e xinga vendedora e diz que é 'cidadão de bem'

16 Setembro 2020

Foto: Reprodução

Um homem vandalizou uma sorveteria após a dona do estabelecimento solicitar que ele utilizasse a máscara de proteção contra o coronavírus. Segundo o jornal 'A Cidade On',

o caso ocorreu no último sábado (12) em Campinas, interior de São Paulo.

Pollyanna Reis, proprietária do local, explicou que o cliente entrou no estabelecimento com a máscara no queixo. Ela solicitou que ele colocasse a máscara sobre o rosto para atendimento no caixa.

Revoltado com a solicitação da mulher, o homem começou as agressões e ofensas. A ação foi gravada por outros clientes. Assista:

Patriota rasga calcinha em sorveteria em Campinas pq a atendente se recusou a atendê-lo sem máscara. pic.twitter.com/XHgwZ2isAH

— thiago (@thide_souza) September 15, 2020

Em um trecho do vídeo, o homem ameaça a funcionária: “Faz alguma coisa para ver se eu não quebro a sua cara, fala um ‘A’ pra você ver o que eu não faço”.

Ainda segundo a dona da sorveteria, após o homem negar usar a máscara corretamente, ela se recusou a continuar com a venda.

“Ele se recusou, eu insisti, e depois eu me recusei a atender. Depois disso ele começou a se revoltar, pegou o telefone para ligar pra polícia, queria me gravar, começou a me ofender e a quebrar as coisas”, declarou Pollyanna ao A Cidade On. A dona fez um boletim de ocorrência do caso.

'Sou um cidadão de bem'
Pelo Instagram, o homem que aparece nas imagens se defendeu. “Parem de falar o que não sabem. Só ouviram um lado da história. Minha vida está virando um inferno, eu tenho família. É uma vida, então, parem! Estou sofrendo muitas ameaças de vida”, escreveu Rodrigo Ferronato.

“Não mereço ser agredido desta forma. Estou sofrendo ameaças de mortes (sic) por causa de uma discussão onde ambas as partes estavam erradas. Eu sou um cidadão de bem, nunca faria mau (sic) a alguém. Agora vão querer me crucificar?”, afirmou. O perfil dele não está mais disponível na rede social.

Também em entrevista ao A Cidade On, Rodrigo Ferronato disse que não havia distanciamento social no local e que estava de máscara, mas a proteção não estava sobre o nariz.

O cliente alega ainda que teria sido agredido primeiro com um empurrão, um soco na barriga e tapas. Segundo Rodrigo, ele fez um boletim de ocorrência contra o estabelecimento e acionou o Procon pela recusa do atendimento.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree