-->

Jornalista Glenn Greenwald pede que Bolsonaro confirme se disse que ele é ‘malandro’ confira

05 Dezembro 2019

O jornalista Glenn Greenwald interpelou Jair Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF) enviando à corte um pedido para que o presidente confirme “se foi efetivamente o autor das

frases” em que chamou o americano de “malandro que, para evitar um problema desse [deportação], casa com outro malandro ou adota criança no Brasil”.

O pedido de Greenwald também solicita que Bolsonaro informe “a que fato, investigação ou processo estava se referindo quando afirmou” que o jornalista talvez “pegue uma cana” no Brasil. “[É] necessário que o requerido esclareça se efetivamente foi o autor de tais afirmações, tendo a presente ação finalidade preparatória para o ajuizamento de ação penal.”

A fala do presidente foi feita em entrevista no Rio, em julho, e fez referência a uma portaria do ministro da Justiça, Sergio Moro, que estabelece um rito sumário de deportação de estrangeiros considerados “perigosos” ou que tenham praticado ato “contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal”.

No ofício enviado ao STF, os advogados do fundador do The Intercept Brasil alegam que “a ação voluntária do requerido [Bolsonaro], marcada pela homofobia e pela ofensa à honra do requerente [Greenwald] –e também contra uma coletividade intangível de seres humanos – fere a sua dignidade enquanto ser humano, além de ser inadmissível para um chefe de Estado”.

“O requerido vulgariza o instituto da adoção, tratando este como um suposto subterfúgio do requerente e de seu companheiro para evitarem a possibilidade de suposta ‘deportação’, o que, evidentemente, não corresponde à verdade.”

“Aliás, há de se destacar neste ponto, que a adoção dos menores pelo casal, muito longe de se tratar de uma ‘malandragem’, é resultado de um desejo comum, expressão máxima de amor por duas crianças com suas próprias e delicadas histórias de vida e que, de maneira alguma, pode ser associada ao ardiloso interesse de autoproteção”, segue o documento.

“A postura do requerido, muito longe de retratar uma manifestação da liberdade de expressão, consubstancia flagrante desrespeito a preceitos constitucionais”, consta na argumentação de Greenwald.O texto ainda cita a criminalização da homofobia como argumento para sustentar o pedido.

“É bem verdade que as diversas condutas do requerido, exemplificativamente apontadas por ocasião da presente, parecem ser, infelizmente, intrínsecas à sua pessoa. No entanto, tal fato não pode dar azo a repetidos episódios de LGBTfobia como os protagonizados pelo requerido, devendo este responder civil e, a partir da recente decisão do Supremo Tribunal Federal, penalmente pelos atos praticados contra esta categoria.

“Além disso, o requerido afirmou à imprensa que o requerente talvez ‘pegue uma cana’, o que indica que o mesmo tem conhecimento de fatos, investigações ou processos em curso que poderiam levar à prisão do requerente. É direito dele, portanto, saber a que fatos o requerido estava se referindo quando afirmou que o requerente talvez ‘pegue uma cana'”.

O documento assinado por Greenwald ainda aponta que “qualquer pessoa que se julgar ofendida por atos que configurem crimes contra a honra pode pedir explicações ao seu auto, com o objetivo de confirmar a autoria de tais atos”.

Da redação do Correio Cearense com FOLHAPRESS


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree